ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

A CULPA É SEMPRE DA POLÍCIA

VIA FACEBOOK

Alberto Afonso Landa Camargo


Das notícias televisivas que assisti hoje de manhã, duas me chamaram a atenção.


- A propósito da polêmica em São Paulo sobre o transporte de feridos pela PM, o secretário de segurança disse agora que nunca proibiu policiais de fazerem o transporte e que os casos em que estes transportes não foram feitos pelos PMs estão sendo investigados. Quase aos gritos disse mais ou menos que "em nenhum lugar da norma está escrita a palavra 'proibido'". Ou seja, vai sobrar para os mesmos de sempre e o responsável verdadeiro vai continuar lépido e faceiro dando ordens arbitrárias e depois dizendo que não as deu...

- Também em São Paulo, uma criança de um mês de vida que nasceu com problemas cardíacos foi internada num hospital do interior do Estado. O caso era de cirurgia e o hospital não tinha condições de fazê-la, necessitando a paciente ser levada para a capital onde havia recursos. Sem transporte aéreo, a família ingressou na justiça e teve medida liminar favorável determinando que o Estado fizesse o transporte por helicóptero. Como não foi cumprida a medida, a justiça expediu mais duas ordens para que o transporte fosse feito. Diante da demora, a criança acabou morrendo.

A repórter que noticiou o fato disse que o HELICÓPTERO DA POLÍCIA MILITAR não foi disponibilizado para cumprir as ordens judiciais. Ou seja, a culpa acabou caindo, como sempre na Polícia Militar.

O Estado, ou a própria PM não lembro, informou que a criança precisava de uso constante de soro e de respirador artificial, coisas de que não são dotados os helicópteros da PM. O hospital alegou que não tem equipamentos para fazer a cirurgia, precisando a criança ser removida para outro hospital.

Uma inversão de valores, pois é o hospital, entidade voltada à saúde, que tem que ter equipamentos para fazer cirurgias e não o helicóptero da PM, entidade voltada à segurança pública, que tem que ter soro e respirador artificial. Ademais, por que não foi feito o transporte em uma ambulância equipada com tais dispositivos?

MAS A POLÍCIA MILITAR É A CULPADA!

Desculpem, mas a "cosa" está cansando...