ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

CONDUTA EM XEQUE

ZERO HORA 23 de maio de 2013 | N° 17441

Brigada irá apurar o comportamento de PMs

Vídeo flagra soldados cometendo infrações de trânsito e brincando em serviço



Alta velocidade, ultrapassagem em local proibido, dirigir sem as mãos no volante, uso do radiocomunicador para fazer brincadeiras e comentários sarcásticos quanto ao salário. Essas são algumas das atitudes protagonizadas por quatro soldados de Restinga Seca, na Região Central, em fevereiro de 2011, quando um deles filmou a atuação em uma viatura.

Ovídeo fez com que o comandante do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon), tenente-coronel Sidenir Cardoso, abrisse ontem uma sindicância formal para apurar o caso:

– Vamos avaliar a atitude inadequada dos policiais que estavam atendendo uma ocorrência, em princípio séria. Vamos avaliar vários aspectos, entre eles, o comportamento deles – explica o comandante do 1º RPMon.

A postura em relação aos princípios institucionais da BM que será apurada, conforme adianta o tenente-coronel, foi protagonizada pelos soldados Robson Bernardes, Daniel Lanes, Rafael Rebelato e Guilherme Lemos Braga.

No início do vídeo, Rebelato, que estava no banco traseiro, diz:

– Estamos indo atender um acidente e estamos indo em alta velocidade.

O motorista, Bernandes, olha para o lado, ri, mas não fala nada. Em seguida, Lanes, que está ao lado do condutor, usando o radiocomunicador da viatura grita: “para quem estiver olhando esse canal... para as crianças saírem da sala”, em seguida dá uma gargalhada e imita uma sirene.

A suposta farra dos PMs continua com Rebelato descrevendo a situação:

– Como vocês estão vendo, a viatura está em 160 km/h.

Logo depois, os policiais deparam com um motocicleta na pista e gritam: “sai da frente moto”, e realizam uma ultrapassagem em local proibido. Sem chegar ao local do suposto acidente, os brigadianos desligam o giroflex, lamentam algo e param de gravar.

Segundo o comandante do 1º RPMon, a sindicância formal deve ser finalizada em 20 dias. O tenente-coronel adiantou que já foi confirmado que os PMs realmente estavam se deslocando para atender um acidente. O oficial ainda conta que, após a apuração, será avaliado se houve infração disciplinar.

– O comportamento da Brigada não é, não deve ser esse. Atualmente, dois dos brigadianos que aparecem no vídeo continuam atuando em Restinga Seca, outro foi cedido para atuar em Porto Alegre, e o quarto foi transferido para Santa Maria – lamenta o oficial.

PATRIC CHAGAS


CONTRAPONTO - O que dizem os soldados - O Comando Regional de Polícia Ostensiva (CRPO) Central informou à reportagem que os quatro soldados não estão autorizados a falar. Quem falou em nome dos policiais militares foi o comandante do 1° RPMon, tenente-coronel Sidenir Cardoso, que disse que os PMs são alvos de uma sindicância formal.