ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 19 de outubro de 2014

TRAFICANTES SE PASSAVAM POR POLICIAIS CIVIS

DIÁRIO GAÚCHO 19/10/2014 | 11h55

Cristiane Bazilio

Dois traficantes são presos por praticar assaltos se passando por policiais civis. Dupla era foragida do semiaberto de Camaquã e agia na Região Metropolitana



Entre os materiais apreendidos com os traficantes, havia rádio na frequência da polícia e arma do exército argentino Foto: divulgação / Denarc




O Denarc prendeu na tarde de sábado, em São Leopoldo, dois traficantes, foragidos do regime semiaberto do presídio de Camaquã, suspeitos de praticarem assaltos no Vale do Sinos se passando por policiais civis. Segundo o delegado Adriano Nonnenmacher, que coordenou a operação, a dupla dizia que trabalhava em delegacias da região e assaltava residências, comerciantes e até mesmo criminosos.

– Entravam gritando "polícia!", pra todo mundo colocar as mão na cabeça, e retiravam os pertences das vítimas. Faziam toda a ação identificando-se como policiais. Em uma das investidas, teriam usado um colete policial, mas ainda vamos investigar se tinham de fato algum tipo de vestimenta que os identificassem como tal – explica o delegado.

Ainda conforme Adriano, as investigações sobre a dupla, que tem antecedentes criminais por tráfico de drogas, começaram há cerca de um mês e eram voltadas para o tráfico. Mas a polícia acabou descobrindo os assaltos. Os comparsas, de 25 e 26 anos, foram presos no Bairro Parque Mauá, em um casa na qual moravam juntos. A 200m dali, a polícia localizou outra residência, que era alugada pelos criminosos e usada como depósito de dinheiro, armas e carros clonados.

Na ação, foram apreendidos mais de R$ 10 mil em dinheiro, cigarros do Paraguai, uma pistola Colt calibre .45, de fabricação argentina e pertencente ao exército argentino, um revólver calibre 38 especial, de numeração raspada, trinta munições de calibre 45 e 38, rádio HT na frequência da Polícia, bloqueador de celulares, carteiras de identidade falsas e dois carros clonados, uma Chevrolet Spin 2014 e uma Meriva 2012.

Os dois suspeitos foram encaminhados ao Presídio Central. As investigações prosseguem para identificar outras pessoas envolvidas e possíveis locais utilizados no esquema do tráfico.

– Temos informações de que um terceiro local, em Novo Hamburgo, também estaria relacionado ao tráfico e de que haveria uma terceira pessoa envolvida – aponta o delegado.

Adriano acredita que, a partir da prisão dos dois indivíduos, devam vir à tona novos casos envolvendo a dupla. – Estimamos que haja muitas vítimas destes criminosos. Estas pessoas podem procurar a Segunda Delegacia de Polícia de São Leopoldo, a Segunda Din/Denarc ou a delegacia mais próxima – orienta o delegado.