ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

SECRETARIO REBATE CRÍTICAS SOBRE REMANEJAMENTO PM DO INTERIOR PARA A CAPITAL

ZH 10/10/2014 | 17h14

Do Interior para a Capital. Michels sobre críticas a transferências de brigadianos: "É uma questão eleitoral". Secretário da Segurança Pública diz que remanejamento temporário de policiais militares afeta 0,6% do efetivo das cidades

por Eduardo Rosa


Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS


Titular da Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Airton Michels avalia como eleitoreiras as críticas ao remanejamento de policiais militares do Interior para a Região Metropolitana. O secretário diz que a questão levantada nos últimos meses, com a realização da Copa do Mundo em Porto Alegre, é "pífia":

— Não estamos na linha da segurança pública, temos de ser bem claros, é uma questão eleitoral. Trouxemos 150 policiais do Interior, isso representa 0,6% do policiamento dessas cidades. Não deixamos nenhuma cidade desfalcada, sem que sua operacionalidade continue 100% normal.

Michels lembrou que é comum integrantes da Brigada Militar serem deslocados para outras regiões em determinadas épocas do ano, como no verão, quando é organizada a Operação Golfinho. Outro exemplo dado pelo gestor foi uma força tarefa de três meses, em 2011, implantada em cidades como Alvorada, Gravataí e Cachoeirinha, que historicamente enfrentam problemas com a criminalidade.



Em Pelotas, a Justiça decidiu proibir novas transferências temporárias de brigadianos, ao acatar parcialmente uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público. O motivo da ação, conforme os promotores, é o aumento nos índices de criminalidade e a falta de policiais no município.

— O cidadão pelotense tem tanto direito quanto o cidadão da Capital à segurança. A remoção de um policial, como de 10 policias, prejudica a segurança da nossa cidade. A gente entende que a Capital tem direito a sua segurança, e isso deve ser garantido de outra forma — defendeu o promotor José Olavo Bueno dos Passos.


Michels pondera que a questão não é de agora:

— Pelotas e Rio Grande, a partir da implementação do Polo Naval, sofreram uma migração de pessoas das mais variadas regiões do país e de forma muito rápida. É uma mudança do perfil sociológico da cidade e implica em aumento de criminalidade.

Ele lembra que, dos cinco policiais transferidos temporariamente de Pelotas, dois estavam em funções administrativas.

— Só na área de policiamento urbano, ambiental, a cidade tem 562 policiais. Temos um apreço muito grande por Pelotas. Implementamos o policiamento comunitário com 11 núcleos e a Patrulha Maria da Penha. Reconhecemos que há esse acréscimo de criminalidade — afirma. — Obviamente, trazer cinco policias, sendo que dois atuavam no administrativo, não vai afetar absolutamente nada. Isso se supre, se necessário, com horas extras — acrescenta.

Na visão da Secretaria da Segurança Pública, a movimentação de policiais em diferentes regiões fazem com que eles adquiram conhecimento sobre a criminalidade enraizada em locais com os indicadores mais elevados.

Famurs orienta prefeitos a procurarem o Ministério Público

Em reunião realizada na manhã desta sexta-feira, a diretoria da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) decidiu que recomendará aos prefeitos gaúchos que avaliem o prejuízo das transferências temporárias de policiais militares para Porto Alegre. Nas localidades onde a perda de brigadianos representaria elevação em crimes, a orientação será para os prefeitos procurem o MP.

Na semana que vem, o presidente da Famurs, Seger Menegaz, se encontrará com o procurador-geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, para tratar do assunto.

*Zero Hora