ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

CASO KUNZLER - BUSCA POR SEGUNDO SUSPEITO


Do G1 RS 03/04/2014 12h08

Polícia busca segundo suspeito de matar publicitário em Porto Alegre. Homem está no regime de prisão domiciliar e não é encontrado.  Delegada evita falar sobre caso e aguarda resultado da perícia.




Assassinato publicitário Porto Alegre montagem (Foto: Montagem sobre fotos/Câmera de segurança)

A polícia de Porto Alegre procura o segundo suspeito de matar o publicitário Lairson Kunzler, morto durante um assalto em fevereiro. De acordo com a titular da 6ª Delegacia da Polícia Civil da Capital, delegada Áurea Regina Hoeppel, a Delegacia de Polícia Civil de Roubos (Deic) está auxiliando na busca pelo homem, que está em regime de prisão domiciliar, mas não foi encontrado nos endereços fornecidos à Susepe.

"Desde segunda-feira, estou evitando falar sobre o caso para não atrapalhar as investigações. Além da procura, estou esperando o resultado das perícias", explicou Áurea ao G1.

Nesta semana, o Ministério Público pediu para a Polícia Civil fazer uma reconstitução dos últimos momentos de vida da vítima. Um dos suspeitos do crime foi solto no fim de semana. A Justiça considerou que as provas apresentadas contra ele são insuficientes.

O promotor espera que a polícia consiga mais provas para comprovar que o suspeito é o homem que aparece nas imagens na cena do crime, disparando contra o publicitário. Ele foi reconhecido por uma testemunha que não quis prestar depoimento.

O crime

O publicitário foi assassinado quando chegava no condomínio onde morava na Avenida Cavalhada, Zona Sul da capital, após sacar uma grande quantia em dinheiro em uma agência bancária na Avenida 24 de Outubro, no Bairro Moinhos de Vento. A vítima foi baleada na cabeça, chegou a ser socorrida e levada ao Hospital de Pronto Socorro (HPS) ainda com vida, mas não resistiu aos ferimentos. A dupla de assaltantes fugiu levando um malote com cerca de R$ 44 mil.

Em um vídeo divulgado pela Polícia Civil, imagens mostram um dos criminosos saltando de uma motocicleta para abordar a vítima enquanto ela chegava ao prédio. O publicitário se assustou e acelerou o Honda Civic que dirigia. Em seguida, o criminoso atirou pelo menos cinco vezes e correu em direção ao veículo, antes de fugir com o malote na mão.

Formado em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Kunzler era um dos sócios da Paim Comunicação e Diretor de Relações com o Mercado da agência de publicidade de Porto Alegre, onde trabalhava há mais de 10 anos. Ele deixa a esposa, três filhos e dois netos.