ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 22 de abril de 2014

ATRASO EM PERÍCIAS DIFICULTA RESPOSTAS PARA MORTE DE BERNARDO BOLDRINI


ZERO HORA 22/04/2014 | 06h06


Exame que pode revelar se Bernardo foi vítima de substância letal ainda nem começou a ser feito porque equipamento está estragado desde o ano passado

Adriana Irion


As respostas para o quebra-cabeça da morte de Bernardo Boldrini que dependem de exames periciais podem demorar mais do que a Polícia Civil de Três Passos prevê. Oito dias depois da localização do corpo do menino, o exame que pode revelar se ele foi vítima de uma substância letal e que substância é essa, ainda nem começou a ser feito. O motivo: o equipamento necessário para isso está estragado desde o ano passado.

A necropsia no corpo, feita em Frederico Westphalen, foi inconclusiva sobre a causa da morte. Segundo peritos, isso ocorreu devido ao estado de decomposição do cadáver. Agora, a apuração sobre substâncias que tenham sido usadas para matá-lo dependem de exames mais específicos, como o de vísceras. A dificuldade para esse teste é que o equipamento, o Homogenizador de Tecidos do Departamento de Perícias Laboratoriais, está com uma peça quebrada. O aparelho tritura e prepara o material para análise.

Conforme o depoimento da assistente social Edelvânia Wirganovicz à polícia, revelado por ZH no final de semana, Bernardo teria recebido da madrasta comprimidos para dormir e depois uma injeção no braço esquerdo com substância letal. Um dos medicamentos citados por Edelvânia, que está presa por participação no crime, é o Midazolan, um sedativo e indutor anestésico muito usado em pequenos procedimentos, como endoscopias.

— Já fizemos a compra de um novo equipamento, que deve chegar até 14 de maio, e estamos providenciando o conserto do antigo — explica Paulo Leonel Fioravante Fernandes, diretor-geral adjunto e supervisor técnico do Instituto-Geral de Perícias (IGP).

Segundo Paulo Leonel, visando a não atrasar muito a perícia do caso Bernardo, já está sendo verificada a possibilidade de o exame ser feito em parceria com uma universidade que disponha do homogenizador. Além da causa da morte, a polícia aguarda o resultado de outras análises para reconstruir passo a passo o crime e demonstrar o grau de participação de cada suspeito.

Medidas que são avaliadas

Causa da morte

A necropsia, feita no Posto Médico Legal de Frederico Westphalen, foi inconclusiva para a causa da morte devido ao estado do corpo, enterrado havia 10 dias. Não foi possível localizar, por exemplo, sinais como o que seria deixado pela aplicação de uma injeção com substância letal. Para identificar a substância usada para matar o menino, é preciso analisar materiais como urina e vísceras. Urina não foi possível coletar.

Vestígios em carros

Estão apreendidos um Veloster (de Leandro Boldrini), uma caminhonete Triton (de Graciele Ugulini) e um Siena (de Edelvânia Wirganovicz). A busca por vestígios de substâncias como sangue ou terra, por exemplo, é feita por um perito criminalístico. O Veloster e a Triton já passaram por exame com luminol, substância química que ajuda a detectar sinais de sangue. A polícia está elaborando novos pedidos em relação aos carros. Um deles é a análise dos equipamentos de GPS para conferir rotas realizadas.

Gravações

Há imagens de câmeras de segurança que mostram Graciele e Edelvânia com o menino no dia do suposto desaparecimento. Se for solicitada análise desse material, o exame será feito pelo Departamento de Criminalística (DC).

Ferramentas

A pá e a cavadeira apreendidas na casa da mãe de Edelvânia são elementos importantes para montar o quebra-cabeça. Dependendo do que a polícia pedir, o exame pode ser feito em Santo Ângelo ou em Porto Alegre. Se for apenas a análise da ferramenta em si, para verificar possíveis amassados ou deformações, por exemplo, a tarefa será feita em Santo Ângelo. Se for necessária análise de substâncias contidas nas ferramentas, o trabalho deve passar para a Capital. Pode ser realizada pelo setor de perícias ambientais do Departamento de Criminalística (DC) em parceria com o Departamento de Perícias Laboratoriais.

Medicamentos

Remédios e outras substâncias apreendidas na casa e na clínica de Leandro Boldrini devem ser analisadas pelo Departamento de Perícias Laboratoriais. Em alguns casos, pode ser solicitada apoio para universidades.

Reconstituição

A recriação da cena do crime também pode ser solicitada. A reconstituição é uma ferramenta utilizada em casos complexos e, principalmente, quando há contradições nas versões dos suspeitos. Também é feita por peritos do DC. Por outro lado, não foi acionada perícia para fazer levantamento no local do encontro do corpo.


Relembre o caso

Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, uma sexta-feira, em Três Passos, município do Noroeste. De acordo com o pai, o médico cirurgião Leandro Boldrini, 38 anos, ele teria ido à tarde para a cidade de Frederico Westphalen com a madrasta, Graciele Ugolini, 32 anos, para comprar uma TV.

De volta a Três Passos, o menino teria dito que passaria o final de semana na casa de um amigo. Como no domingo ele não retornou, o pai acionou a polícia. Boldrini chegou a contatar uma rádio local para anunciar o desaparecimento. Cartazes com fotos de Bernardo foram espalhados pela cidade, por Santa Maria e Passo Fundo.

Na noite de segunda-feira, dia 14, o corpo do menino foi encontrado no interior de Frederico Westphalen dentro de um saco plástico e enterrado às margens do Rio Mico, na localidade de Linha São Francisco, interior do município.

Segundo a Polícia Civil, Bernardo foi dopado antes de ser morto com uma injeção letal no dia 4. Seu corpo foi velado em Santa Maria e sepultado na mesma cidade. No dia 14, foram presos o médico Leandro Boldrini - que tem uma clínica particular em Três Passos e atua no hospital do município -, a madrasta e uma terceira pessoa, identificada como Edelvania Wirganovicz, 40 anos, que colaborou com a identificação do corpo. O casal aparentava uma vida dupla, segundo relatos de amigos e vizinhos.