ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

RELAÇÃO ESPÚRIA



ZERO HORA 28 de janeiro de 2015 | N° 18056


ADRIANA IRION


MORTE EM TRAMANDAÍ. Juiz vê “relação espúria” de comissário com Xandi


Ao decretar a prisão preventiva do comissário Nilson Aneli, o juiz Emerson Silveira Mota, da 2ª Vara Criminal do Foro de Tramandaí, escreveu haver “fortes indícios de que ele estava fazendo a segurança pessoal do líder de uma organização criminosa vinculada ao tráfico de drogas”.

Aneli foi preso na segunda-feira. A Corregedoria-geral da Polícia Civil (Cogepol), responsável pelo pedido de prisão, também fez buscas na casa do comissário, em Porto Alegre. O advogado de Aneli, o delegado aposentado José Cláudio de Lima da Silva, disse que deve ingressar com habeas corpus na tentativa de revogar a prisão até o final desta semana.

Para o juiz que decretou a prisão preventiva, a aparente “relação espúria de um agente da autoridade com o crime organizado atenta, não só contra a ordem pública, mas contra o próprio Estado Democrático de Direito”. O magistrado destacou que a investigação da Cogepol aponta indícios do envolvimento do policial com a segurança do traficante, executado em 4 de janeiro, em Tramandaí, supostamente por uma quadrilha rival. Xandi foi atingido por um tiro de fuzil.

As circunstâncias do ataque à casa em que Xandi foi morto e onde Aneli estaria, segundo testemunhas, são investigadas pela polícia. A Cogepol apura as relações de Aneli com Xandi, conhecido por dominar o tráfico no condomínio Princesa Isabel, na Capital. Aneli foi chefe da segurança pessoal do ex-secretário da Segurança, Airton Michels, de 2011 a 2014. Dias após a morte de Xandi, ele confessou a Michels ter feito segurança na casa onde Xandi foi morto, mas negou saber que o cliente fosse traficante.

Recolhido ao Grupamento de Operações Especiais (GOE), no Palácio da Polícia, o comissário deve prestar novo depoimento à Cogepol nos próximos dias. Se houver contradições entre as declarações de Aneli e o que Michels revelou, o ex-secretário pode ser chamado a também prestar depoimento.