ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

PM DE FÉRIAS ATIRA EM SURFISTA NUMA DISCUSSÃO DE TRÂNSITO


 
ZERO HORA 20 de janeiro de 2015 | N° 18048

DIOGO VARGAS

VIOLÊNCIA NA PRAIA. Surfista é baleado por PM em Santa Catarina

ATINGIDO POR TRÊS DISPAROS, Ricardinho está em estado grave. Crime teria ocorrido após bate-boca banal, e Polícia Civil investiga duas versões


A comoção imperou na comunidade do surfe depois de o catarinense Ricardo dos Santos, o Ricardinho, 24 anos, ter sido baleado com três tiros ontem na praia da Guarda do Embaú, em Palhoça (SC). O autor dos disparos foi um policial militar, que estava em férias. Até as 22h, o atleta seguia em estado grave e coma induzido.

Ricardinho levou três tiros que atingiram o tórax e o pulmão, por volta das 9h, e foi socorrido pelo helicóptero Arcanjo e levado para o Hospital Regional de São José. Moradores disseram que ele estava trabalhando em uma obra em casa com o avô e dois funcionários, quando um carro Citroën C4, com placas de Joinville, estacionou em cima de um cano que arrumavam.

O surfista teria pedido que o motorista retirasse o veículo. A partir daí, o delegado Marcelo Arruda diz haver duas versões. Uma delas, é a de que o soldado Luiz Paulo Mota Brentano, 25 anos, motorista do carro, atirou sem justificativa, após uma discussão banal. A outra hipótese é a de que o soldado tenha agido em legítima defesa.

O policial sustenta que o surfista e outro homem teriam partido para cima dele com um facão – que não foi encontrado. Segundo o delegado, o PM disse ter ingerido bebida alcoólica, mas negou uso de drogas. Ele fez exame toxicológico. O resultado sairá em alguns dias.

Preso em flagrante por tentativa de homicídio, o soldado está na PM desde 2008 e trabalha em Joinville. Em nota, o comando da PM informou que um inquérito foi aberto para apurar o caso.

Amigos e familiares passaram o dia no hospital. Por duas vezes, de mãos dadas, houve orações coletivas pela recuperação do atleta.