ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

CONFUNDIDO COM SUSPEITO, POLICIAL CIVIL DO RIO É BALEADO POR PM DE SP

G1 28/01/2015  09h28

Policial do Rio é baleado por PM de SP após ser confundido com suspeito. Caso foi em Pinda e envolveu policiais do Rio e da região nesta terça (27). Polícia aponta falha de comunicação; quatro foram detidos por tráfico.

Do G1 Vale do Paraíba e Região





Um policial civil do Rio de Janeiro foi baleado por policiais militares em Pindamonhangaba na noite desta terça-feira (27). Ele foi confundindo com um sequestrador durante uma operação na região, quando acabou ferido. Quatro pessoas foram detidas por tráfico de drogas.

A operação envolvendo policiais civis cariocas começou na madrugada de terça-feira em Resende (RJ). Na cidade, os policiais prenderam um traficante com 26 kg de cocaína. Após o flagrante, o suspeito denunciou que a droga era refinada em Pinda.

O homem, então, foi colocado dentro da viatura e indicou aos policiais o local onde a droga traficada. Na casa, foram encontrados outros três suspeitos, que confessaram fazer parte de uma quadrilha de traficantes. Eles negaram que a droga era produzida no local e indicaram uma área rural em Roseira.


Parte da equipe foi até a cidade vizinha e um dos policiais permaneceu na casa vigiando os três detidos. Enquanto isso, a Polícia Militar recebeu uma denúncia de que um homem fazia três reféns no imóvel em Pinda. Ao chegar ao local, um PM subiu no muro da casa e identificou um homem armado no local acompanhado dos suspeitos.

“Ele [o policial] se deparou com esse individuo, inicialmente sem saber quem era, mas que estava com uma arma de fogo em punho pronta para um disparo. Em seguida ele viu a necessidade de efetuar o disparo porque visualizou ali uma pretensa a reação”, disse o capitão da PM Marcos Antônio Oliveira.

Ao perceber a presença da PM, o policial carioca tentou avisar que pertencia ao efetivo da civil, mas não teve sucesso. Ele foi baleado por um militar com um tiro no abdômen e encaminhado ao pronto-socorro da cidade. Ele passou por uma cirurgia durante a noite e permanecia internado em estado estável no início da manhã desta quarta-feira (28).

Droga era refinada em imóvel na zona rural de
Roseira. (Foto: Reprodução/ TV Vanguarda)

Falha de comunicação

Segundo a Polícia Civil, um dos principais erros entre os policiais foi a falta de comunicação, que não foi feita pela corporação do Rio de Janeiro. “Deveria ser feita uma comunicação formal, ocorre que essa situação foi tendo vários desdobramentos por escutas e não houve como parar para um eventual ofício. O delegado do Rio tentou fazer contato aqui na região, mas não conseguiu”, afirmou o delegado de Pinda Guilherme Nunes.

O caso será investigado pelas corporações para identificar possíveis falhas durante a ação. Todos os quatro detidos e a droga apreendida foram encaminhados para o Rio de Janeiro. De acordo com a PM, um dos suspeitos seria um dos principais traficantes da baixada sul fluminense.

“Tínhamos uma parceria com a Dise [Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes] de Taubaté, tentamos essa comunicação, mas não foi possível. A apreensão das drogas e a localização de uma refinaria foi muito positiva. Negativo foi esse ponto do policial civil que foi baleado e está sendo apurando pela polícia se houve falha ou não", afirmou o delegado da Polícia Civil de Barra Mansa (RJ) Ronaldo Brito.