ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 10 de junho de 2014

PMS CONDENADOS POR MORTE DE CORONEL



CORREIO DO POVO. Rádio Guaíba, 02/06/2014 20:51


Justiça mantém condenação de ex-PMs por morte de coronel na Capital. Dupla foi sentenciada a 23 e 22 anos de prisão por crime cometido em 2012



A 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça manteve, por unanimidade, a condenação dos ex-policiais militares acusados de matar o coronel reformado Júlio Miguel Molina Dias. A desembargadora Vanderleia Teresinha Tremeia Kubiak rejeitou as hipóteses de crime político ou passional e reafirmou que o assassinato teve motivação patrimonial. A pena foi de 23 anos de reclusão para um dos condenados e de 22 anos e 10 meses para o outro, considerado corréu do crime.

Molina Dias foi baleado em 1º de novembro de 2012, no bairro Chácara das Pedras. Segundo a denúncia do Ministério Público, por volta das 21h, ele foi perseguido por um Gol vermelho, de placa clonada, utilizado pelos réus, então soldados da Brigada Militar. O coronel foi abordado em uma das vias e obrigado a se dirigir até a casa em que vivia com a esposa, na rua Professor Ulisses Cabral. Ao chegar em casa, o coronel reagiu e sacou uma pistola, mas foi atingido e morreu na hora. A dupla matou e roubou objetos e fugiu levando, ainda, a arma da vítima.

No decorrer do inquérito policial, foram recolhidos quatro projéteis deflagrados no local. Os estojos foram recolhidos pela investigação em poder de um dos condenados. Já com o outro assaltante, foi apreendida a pistola usada no crime. No corpo da vítima foram recolhidos projéteis do mesmo calibre .380. Os acusados foram presos temporariamente e depois tiveram decretada a prisão preventiva. Ambos também foram condenados à perda da função pública e tiveram negado o direito de apelar em liberdade.

Na decisão, a desembargadora rejeitou as alegações da defesa quanto a falhas no inquérito policial e lembrou que os réus já vinham sendo investigados pelas polícias civil e militar por participações em outros delitos, além de relatórios com informações técnicas prestadas pelas operadoras de telefonia celular, que apontaram a movimentação da dupla na noite e na área do crime.

O coronel reformado do Exército era comandante do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), em 1981, ano do Atentado do Riocentro, no Rio de Janeiro. O órgão de repressão no período da ditadura militar foi apontado como sendo responsável pelo episódio.