ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

INVESTIGADORA É MORTA A TIROS EM BH


Do G1 MG 01/09/2014 15h02

Investigadora da Polícia Civil é morta a tiros em assalto em Belo Horizonte. Crime aconteceu no bairro Nova Suíça, Região Oeste da capital. Carro da vítima foi localizado próximo à favela da Ventosa.




Uma investigadora da Polícia Civil de Minas Gerais foi morta a tiros em um assalto na manhã desta segunda-feira (1º), no bairro Nova Suíça, na Região Oeste de Belo Horizonte. Ela chegou a ser socorrida, mas não resitiu aos ferimentos e morreu.

De acordo com a Polícia Militar, dois suspeitos chegaram em uma motocicleta e abordaram a vítima, que estava de carro, na Rua Monte Simplon. Os criminosos efetuaram três disparos e roubaram o veículo.

Maria Regina de Almeida, de 48 anos, foi encaminhada inconsciente em uma viatura da PM à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Oeste, mas faleceu poucos momentos depois.

Uma equipe da Polícia Civil foi mobilizada e, até a publicação desta reportagem, realizava uma operação conjunta com a PM em busca dos suspeitos. O carro roubado foi encontrado na Rua Jorge Fonte Boa, no bairro Havaí, próximo à entrada da favela da Ventosa.

De acordo com a Polícia Civil, a investigadora tinha 24 anos de carreira na corporação. Ela trabalhava na Divisão de Operações de Telecomunicações (Cepolc).