ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 20 de setembro de 2014

CMT DA PMERJ ADMITE QUE PROCESSO PARA EXPULSAR OFICIAIS DA PM DEVE SER REVISTO

JORNAL EXTRA 18/09/14 13:35


Comandante da PM do Rio admite que processo para expulsar oficiais da corporação deve ser revisto



Coronel afirmou que pretende rever processo de expulsão de oficiais da PM 06/08/2013 Foto: Extra / Fabio Teixeira


Extra


Em entrevista ao programa CBN Rio, da rádio CBN, o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel José Luís Castro Menezes, disse que pretende rever o processo para expulsar oficiais da corporação. De acordo com o coronel, a demora em demitir policiais do alto escalão gera sensação de impunidade. A declaração foi dada em virtude da expulsão, nesta quarta-feira, de nove praças envolvidos na morte da juíza Patrícia Acioli, assassinada em agosto de 2011. Os oficiais condenados pelo crime ainda não foram expulsos.

- Essa diferença de tempo nos casos de julgamento de praças e oficiais tem que ser revista. Tem que ser repensada. Dá um tom de impunidade, que se quer encobrir alguma coisa. Acho importante discutir sim. O oficial comanda e deve dar o exemplo - afirmou o coronel.


Beltrame junto com o coronel José Luís Castro Menezes no dia de seua apresentação 06/08/2013 Foto: Extra / Fabio Teixeira

Durante a entrevista, José Luís Castro ainda avaliou como “muito positivo” o período em que o coronel Alexandre Fontenelle, preso na segunda-feira acusado de comandar o esquema de propina no batalhão de Bangu, na Zona Oeste do Rio, esteve na chefia do Comando de Operações Especiais (COE). Outros seis oficiais foram presos durante a operação contra corrupção.

- Até segunda-feira não tínhamos nenhuma notícia, nenhuma denúncia contra o Fontenelle, nenhuma irregularidade. Não tínhamos nada. A atuação dele no COE, nesse período de um ano, foi muito positiva - disse José Luis Castro.

Exoneração

O comandante-geral da Polícia Militar do Rio afirmou ter ficado triste com a prisão do coronel Alexandre Fontenelle. Mesmo assim, ele não pensou em pedir exoneração do cargo, assim como fez seu antecessor diante da acusação de que o comandante do batalhão de São Gonçalo estava envolvido na morte de Patricia Acioli.

- Não passou pela minha cabeça solicitar minha exoneração. É um fato grave, que entristece, mas que, no momento da minha escolha, não tinha nenhum elemento, nenhuma acusação contra ele (Fontenelle) - explicou o comandante da PM.

Permanência no cargo


Beltrame garantiu a permanência do comandante-geral da PM durante evento na Baixada Fluminense 17/09/14 Foto: Extra / Mazé Mixo

Nesta quarta-feira, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, confirmou a permanência do comandante-geral no cargo. Beltrame deu a declaração durante a entrega de cinquenta viaturas e do efetivo de 200 policiais no 20º BPM (Mesquita), na Baixada Fluminense. No mesmo evento, o coronel José Luis Castro Menezes disse que se sente à vontade para continuar no cargo. Ele afirmou que não tinha conhecimento de investigações envolvendo o coronel Alexandre Fontenelle, ex-comandante do Comando de Operações Especiais (COE) preso nesta segunda-feira. Castro, que nomeou Fontenelle para o cargo, disse que recebeu a notícia com tristeza.


Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/comandante-da-pm-do-rio-admite-que-processo-para-expulsar-oficiais-da-corporacao-deve-ser-revisto-13973739.html#ixzz3Drp6CRfU