ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 14 de setembro de 2014

CERCA DE 450 POLICIAIS ESTÃO CEDIDOS PARA TJ, ASSEMBLEIA LEGISLATIVA E PALÁCIO ABOLIÇÃO

DIÁLOGOS POLÍTICOS ABRIL 22, 2013




Com os doze policiais militares encarregados nesta semana da segurança do prefeito Roberto Cláudio (PSB), chega a cerca de 450 o número de PMs que cumprem hoje função de “guarda” no Ceará. Fora do patrulhamento nas ruas, esses agentes estão cedidos para garantir a segurança dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do Estado.

O efetivo é dividido entre três Companhias de Policiamento de Guarda (CPGs). A 2ª CPG, encarregada da segurança das instalações e serviços da Assembleia Legislativa do Ceará, possui 73 PMs. Já a 3ª CPG, que executa a segurança de Varas, Fóruns e sede do Tribunal de Justiça (TJ-CE), bem como proteção pessoal do presidente e do corregedor do TJ-CE, tem 153 PMs.

Maior de todas as companhias, a 1ª CPG garante a proteção do Gabinete do Governador, do vice-governador, da Procuradoria Geral do Estado e demais órgãos instalados no Palácio da Abolição e entorno. Nesta unidade, “batem cartão” 230 dos cerca de 15 mil PMs cearenses.

O efetivo de policiais cearenses cedidos surpreende na comparação com Estados de estrutura semelhante. Em Pernambuco, que tem cerca de 20 mil PMs, as unidades destinadas à segurança da Assembleia e do Tribunal de Justiça contam, respectivamente, com cerca de 40 e 80 PMs. Um funcionário da PM da Bahia lotado na Assembleia baiana não quis precisar o efetivo do policiamento da Casa, alegando “razões de segurança”, mas afirmou que os números são “bem aquém” aos 73 PMs da AL do Ceará.

Efetivo

O coronel Joel Brasil explica que esses efetivos já existem desde antes do governo Cid Gomes (PSB). “Sempre foi assim, não foi o governador que estipulou. São números com uma base, para uma segurança essencial, e não são invenção de agora”, diz.

O chefe da Casa Militar afirma ainda que todas as situações extraordinárias, como visitas de autoridades, são organizadas remanejando os efetivos das três CPGs. “Nós evitamos ao máximo mexer no patrulhamento ostensivo, aquele que fica nas ruas”, afirma.

O POVO tentou, desde a última quinta-feira, 18, entrar em contato com o comando geral da PM para saber se existe hoje algum estudo no sentido de avaliar o tamanho do efetivo de policiais cedidos. Até o fechamento desta página, no entanto, a reportagem não obteve esposta.

ENTENDA A NOTÍCIA

As três Companhias de Policiamento de Guarda da PM ão administradas pela Casa Militar do Ceará, que possui efetivo de 100 homens. Além das três CPGs, ainda são cedidos policiais que fazem as guardas de presídios

Saiba mais

As estruturas que administram os policiais militares cedidos para a segurança dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário variam muito de Estado para Estado

Enquanto no Ceará 73 PMs são cedidos para a segurança da Assembleia Legislativa, em Pernambuco o serviço é cumprido por cerca de 40 policiais

A mesma situação se repete no Judiciário: no Ceará são 153 PMs cedidos para o Tribunal de Justiça; em Pernambuco, são 80, segundo decretos que estabelecem os grupos.

No Nordeste, por exemplo, o Ceará é dos únicos estados que possui Companhias da PM designadas para essa função. Aqui, existem três Companhias de Policiamento de Guardas (CPG), uma para cada um dos três poderes.

Pernambuco e Bahia, por outro lado, apesar de possuírem estrutura de proteção ao governador semelhante à do Ceará, não possuem unidades específicas para o policiamento do Legislativo e do Judiciário.

Nesses Estados, a segurança dos poderes é feita por “células de assistência policial militar”.

(Carlos Mazza, O Povo Online)


https://dialogospoliticos.wordpress.com/2013/04/22/