ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

COMANDANTE DE UPP NO ALEMÃO É MORTO EM CONFRONTO COM BANDIDOS

JORNAL EXTRA 12/09/14 11:23

Polícia prende suspeito de ter participado da morte de comandante de UPP no Alemão

Cassiano da Silva Harris é suspeito de ter participado do confronto que matou comandante Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo


Igor Ricardo


Policiais da 22ª DP (Penha) prenderam, na madrugada desta sexta-feira, Cassiano da Silva Harris, de 20 anos, um dos suspeitos de ter participado do confronto que terminou com a morte do comandante da UPP Nova Brasília, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Cassiano foi preso na Vila Cruzeiro, no Complexo do Penha. Ele já teve o pedido de prisão temporária de 30 dias aceito pela Justiça do Rio. De acordo com o delegado-assistente Carlos Eduardo Rangel, Cassiano teria arremessado um artefato explosivo contra uma viatura da PM.

- Ele foi reconhecido pelos agentes dessa viatura. Por causa de um defeito no cordão de detonação, o artefato não explodiu. Já identificamos os suspeitos desse ataque que vitimou o capitão Uanderson. Estamos na rua atrás de outros envolvidos - garantiu Carlos Eduardo Rangel.

Capitão foi baleado com um tiro no peito Foto: Arquivo pessoal



Cassiano vai responder por tráfico de drogas, associação para o tráfico e homícidio simples. Na decisão assinada pelo juiz Vinicius Marcondes de Araujo, da Vara do Plantão Judicial, Cassiano é identificado como um dos principais homens de resistência ao processo de pacificação na região. Sendo sua prisão necessária para “continuidade das investigações sobre o fato e sobre a associação ao tráfico”.

Na manhã desta sexta-feira, a esposa do capitão Uanderson Manoel da Silva, de 34 anos, esteve no Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio, para a liberação do corpo do marido. Em entrevista para à Rádio Globo, Bianca Neves Ferreira da Silva, de 30 anos, contou que trabalhava na mesma unidade de polícia pacificadora do marido. Ela é secretária dos coronéis da UPP e conhecia Uanderson há 11 anos.

"Nós nos conhecemos na academia de polícia. Eu ainda estou sem chão, não consegui dar a notícia para a nossa filha", revelou Bianca para a Rádio Globo.

Bianca Neves esteve no IML na manhã desta sexta-feira Foto: Rafael Moraes / Extra


Uanderson será enterrado nesta sexta-feira às 16h, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Norte do Rio.

Morte de capitão

O comandante da UPP Nova Brasília morreu após ser atingido por um tiro no peito. O confronto foi na localidade conhecida como Largo do Vivi e começou por volta de 17h30, durando aproximadamente 30 minutos. O policial foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Complexo do Alemão e, em seguida, para o Hospital estadual Getúlio Vargas, na Penha. Segundo a direção da unidade de saúde, o comandante foi levado para o centro cirúrgico, onde passou por uma cirurgia no tórax, mas não resistiu aos ferimentos.

Movimentação policial na porta do Hospital Getúlio Vargas, na Penha 11/09/2014 Foto: Rafael Moraes / Extra



De acordo com a nota enviada pela Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), Uanderson estava há 11 anos na Polícia Militar. Antes de assumir o comando da UPP Nova Brasília, há três meses, ele trabalhou nos seguintes batalhões: 14º BPM (Bangu), 15º BPM (Caxias) e 41º BPM (Irajá).

O policiamento na região do Complexo do Alemão segue reforçado nesta manhã. O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) faz operação para reforçar a segurança no conjunto de favelas e auxiliar na busca pelos suspeitos do crime.

Policiamento reforçado no Alemão no dia seguinte após a morte do comandante da UPP Nova Brasilia Foto: Fabiano Rocha / Extra




Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/policia-prende-suspeito-de-ter-participado-da-morte-de-comandante-de-upp-no-alemao-13912718.html#ixzz3D7KlVaKE