ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 20 de setembro de 2014

SUSPEITAS DE PROPINAS A PMS SERÃO INVESTIGADAS

JORNAL EXTRA 19/09/14 06:00


MP vai investigar indícios de pagamento de propina a PMs de dois outros batalhões



Coronel Alexandre Fontenelle, preso acusado de ser líder da quadrilha Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo


Rafael Soares


Os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do MP, vão pedir a abertura de inquéritos para apurar o recebimento de propina por policiais do 41º BPM (Irajá) e do Batalhão de Policiamento de Vias Expressas (BPVE). A prática foi revelada durante a investigação da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança (Ssinte), que terminou com a prisão de 24 PMs do 14º BPM (Bangu) — entre eles o então comandante Alexandre Fontenelle. Em depoimento anexado ao inquérito, a que o EXTRA teve acesso, um empresário chega a afirmar que depositava R$ 200, semanalmente, na conta de um PM do BPVE.

No documento, o homem relata que é dono de uma empresa que trabalha com locação de máquinas para a construção civil. Ele afirma que teve que começar a realizar os pagamentos depois que um dos caminhões de sua empresa foi abordado por uma dupla de policiais na Av. Brasil. Na ocasião, “os policiais estiveram na empresa e ficara acordado um pagamento periódico para que não tivesse mais esse tipo de problema”. Ainda de acordo com o relato do homem, “após o início do pagamento, os caminhões da empresa nunca mais foram abordados”. A testemunha reconhece por foto os policiais.


Geladeira ainda teve que ser enchida pelos praças Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo

Já o 41º BPM é citado numa escuta telefônica pelo cabo Wilson Eduardo Nogueira Santos, preso na primeira fase das investigações. Segundo o cabo, o Estado Maior do 14º BPM também recebia propina de PMs do 41º BPM. “Ele estava com o 41º BPM e com o 14º BPM na mão”, afirma o praça, se referindo ao major Edson Pinto Alexandre de Góes, segundo o relatório.

De acordo com o relatório da Ssinte, um dos presos na última segunda-feira, o sargento Eduardo Silveira Alexandria era o responsável por arrecadar a propina no 41º BPM para os oficiais do 14º BPM. “Sargento Alexandria era um dos responsáveis pelo recolhimento de propina no 41º BPM para o major Edson e demais oficiais do 14º BPM e, por isso, Alexandria foi trazido para a unidade deles e inserido na equipe da ronda bancária”.

De fato, Alexandria foi transferido do batalhão de Irajá para o de Bangu em novembro de 2012. Quando ainda estava lotado no 41º BPM, Alexandria foi investigado em um Inquérito Policial Militar por “envolvimento em transporte alternativo e de passageiros e de mototáxis”. O IPM foi concluído sem “indícios de infração”.


Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/mp-vai-investigar-indicios-de-pagamento-de-propina-pms-de-dois-outros-batalhoes-13981893.html#ixzz3DrogvMvj