ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

MEGAOPERAÇÃO DESMANTELA QUADRILHA FORMADA POR 24 PM DO RIO

JORNAL EXTRA 15/09/14 08:19

Terceiro oficial da hierarquia da PM é preso em megaoperação contra corrupção policial


Terceiro oficial na hierarquia da PM, coronel Fontenelle, foi preso na manhã desta segunda-feira Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo


Vera Araújo - O Globo


A Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) faz uma megaoperação para desmantelar uma quadrilha formada por 24 policiais militares, incluindo seis oficiais, na manhã desta segunda-feira. Entre os presos estão o chefe do Comando de Operações Especiais (COE), coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro; os majores Carlos Alexandre Lucas, Nilton João dos Prazeres Neto e Edson Alexandre Pinto de Góes; além dos capitães Walter Colchone Netto e Rodrigo Leitão da Silva. O coronel Alexandre Fontenelle ocupa o terceiro posto mais alto na hierarquia da PM. O COE comanda o Batalhão de Operações Especiais (Bope), Grupamento Aeromarítimo (GAM), e o Batalhão de Choque (BPChoq).

Dos 25 mandados de prisão, 24 são contra PMs. O bando é acusado de cobrar propina de donos de empresas de ônibus, cooperativas de van, e fornecedoras de gás, e ainda de comerciantes e mototaxistas, em Bangu. Segundo as investigações, as extorsões ocorreram em 2012 e 2013, quando eles atuavam no 14º BPM (Bangu). A quadrilha exigia propinas que variavam de R$ 50 a R$ 10,4 mil. As cobranças ocorriam semanalmente ou mensalmente. Há evidências obtidas por meio de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça e através de documentos.

Há ainda 43 mandados de busca e apreensão a serem cumpridos. Até o início da manhã, 11 pessoas foram presas. A ação conta com o apoio operacional da Corregedoria da Polícia Militar e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco/IE).

A operação é um desdobramento da Operação Compadre, deflagrada pela Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança, em abril de 2013, quando 78 mandados de prisão foram expedidos, 53 deles contra policiais militares, para a desarticulação de uma quadrilha que realizava cobranças de propina de feirantes e comerciantes com mercadorias ilícitas, em Bangu.

Os acusados responderão na 1ª Vara Criminal de Bangu pelo crime de associação criminosa armada, que não consta do Código Penal Militar. A pena é de dois a seis anos de reclusão. Os integrantes da quadrilha também serão responsabilizados pelo Ministério Público pelos diversos crimes de concussão, que serão apurados pela Auditoria de Justiça Militar estadual.



Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/terceiro-oficial-da-hierarquia-da-pm-preso-em-megaoperacao-contra-corrupcao-policial-13936622.html#ixzz3DNunZkbi