ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

NORMA DA POLÍCIA AMPLIA RISCO PARA FERIDOS

FOLHA.COM 09/02/2013 - 06h00

Norma da polícia sobre socorro de vítimas amplia risco para feridos, diz Samu

ROGÉRIO PAGNAN
DE SÃO PAULO

A direção do Samu (serviço de ambulâncias de emergência) em SP diz que, como está sendo executada, a norma do governo estadual sobre socorro a vítimas de violência, de janeiro deste ano, expõe feridos a traumas ainda maiores.

A resolução da Secretaria da Segurança Pública determina que policiais, ao atenderem uma ocorrência, acionem o Samu para o resgate dos feridos em vez de transportar as vítimas em carros da polícia.

Para o diretor-geral do órgão, Luiz Carlos Wilke, parte dos policiais acredita haver proibição também à prestação dos primeiros socorros, o que não está no texto da norma.

Com o entendimento de que o ferido não deve ser tocado, em alguns casos, diz, policiais deixam a vítima agonizando à espera da ambulância

A interpretação equivocada da norma, afirma Wilke, coronel da reserva da Polícia Militar, também criou animosidade entre PMs e equipes de socorro. Segundo ele, há uma "situação perigosa em curso".

Para ele, o cenário pode comprometer até a integração do Samu e do serviço de resgate do Corpo de Bombeiros, que é composto por policiais militares. "Isso seria um retrocesso de 30 anos", disse.

As avaliações foram feitas por Wilke em um inquérito do Ministério Público que apura o caso e repetidas à Folha.

Com base nessas afirmações, o promotor Luiz Roberto Faggioni (Saúde Pública) enviou na segunda-feira recomendação ao secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, para que a resolução seja regulamentada para deixar claro que o que está proibido é o transporte do ferido, não os primeiros socorros.

Ele pede, ainda, que seja feito um trabalho de integração entre Samu e polícia para que médicos do serviço de emergência sejam consultados em todos os casos em que haja dúvidas sobre remoção.

SIMULAÇÃO

A resolução tem como paciais simulem socorro para disfarçar execuções sumárias e violar os locais de crime.
Embora considerem a norma positiva e necessária, Samu e Promotoria dizem ter faltado clareza em alguns pontos, trabalho de orientação aos policiais e regulamentação de procedimentos.

"A ordem é não haver movimentação da pessoa sem recomendação médica. A ideia é boa. O problema é como é executada. É preciso explicitar que a polícia não está proibida de prestar os primeiros socorros", diz Faggioni.

Se a recomendação não for acatada, ele deve ir à Justiça para obrigar o governo a fazer as mudanças. O Estado tem 30 dias para se pronunciar.

SECRETARIA

A Secretaria da Segurança Pública disse que "estranha" as críticas do diretor do Samu, Luiz Carlos Wilke. "Além de elogiar a medida, [ele] afirmou que contava com amplas condições de cumpri-la, o que contradiz a tese de má execução", diz. A pasta afirma que desconhece hostilidades entre PMs e equipes do Samu.

Editoria de arte/Folhapress