ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

EM BUSCA DE RESPOSTAS

ZERO HORA 27 de fevereiro de 2013 | N° 17356

TRAGÉDIA DE SANTA MARIA


A INVESTIGAÇÃO


O comando das investigações da maior tragédia da história do Estado está nas mãos de dois velhos amigos, colegas nos tempos da faculdade e parceiros na Academia de Polícia.

Desde a madrugada de 27 de janeiro, quando o incêndio na boate Kiss dilacerou famílias ao tirar a vida de mais de duas centenas de jovens, Marcelo Arigony, responsável pelo caso, e Sandro Meinerz, seu braço direito, passam noites em claro, dividem decisões difíceis e partilham o desejo de fazer justiça.

Arigony e Meinerz formaram-se em Direito na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) em 1995 e sempre sonharam em ser policiais civis. Passaram em concurso público e fizeram juntos o curso para delegado.

Afastaram-se depois de formados – um foi atuar em São Borja e o outro, em Rio Grande – mas logo se reencontraram em Santa Maria. Arigony tornou-se delegado regional. Meinerz assumiu a Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) da cidade. Desde o dia 27, estão mais unidos do que nunca e ditam o ritmo da investigação.

Ambos são professores universitários, dão aula de Direito Penal, mas têm perfis distintos – e complementares. Arigony, 40 anos, é expansivo. Conhecido na cidade, gosta de frequentar bons restaurantes e é popular no Facebook, com 11,6 mil seguidores. No trabalho, é do tipo operacional. É um delegado “linha de frente”, no jargão policial. Meinerz, 42 anos, é o oposto. Definido com adjetivos como “tranquilo” e “ponderado” por inspetores e escrivães, atua nos bastidores. É o “intelectual” da dupla.

Naquele domingo fatídico, Arigony chegou primeiro à danceteria. O relógio marcava 4h quando ele foi informado do desastre por telefone. Assustado, ligou primeiro para a filha, Ana Luiza, 18 anos, em busca de notícias. Tinha receio de que ela pudesse estar na Kiss. Para seu alívio, a estudante dormia e, naquela madrugada, não havia saído com as amigas.

– Pai, a Sabrina estava lá. Será que ela está bem? – quis saber a estudante, preocupada.

Próximas, as duas costumavam sair juntas em bares e danceterias. Sabrina era prima de Arigony. Sua morte seria confirmada em seguida pelo delegado regional. Dias depois, ele participaria de um protesto – com megafone em punho – clamando por justiça nas ruas do município, ao lado de pais e mães enlutados.

– Todo mundo me criticou. Queriam até me tirar do caso, mas, desde o início, fomos transparentes. Procuramos OAB, Defensoria, Ministério Público. Todos foram chamados. Não estou trabalhando sozinho – desabafa.

Naquela madrugada, ao chegar à Rua dos Andradas, deparou com o que chama de “um cenário de guerra”. Ainda havia fumaça, os corpos estavam estendidos no chão, os bombeiros trabalhavam no rescaldo do incêndio.

– Ninguém no mundo estaria preparado para aquilo – recorda Arigony, que ostenta olheiras profundas desde então.

O policial alertou os superiores e, em seguida, convocou Meinerz para ajudá-lo. Um comitê de gerenciamento de crise teve de ser montado às pressas. A primeira reunião aconteceu no estacionamento de um supermercado, do outro lado da rua. Ao redor, moradores incrédulos comprimiam-se contra as fitas de isolamento.

– Tínhamos que decidir para onde levar os corpos, como lidar com tudo aquilo – lembra Arigony, que ainda se emociona com a tragédia.

Enquanto policiais e peritos trabalhavam na transferência e identificação das vítimas fatais, quatro agentes e uma delegada, a plantonista Luiza Sousa, davam início às investigações, ouvindo as primeiras testemunhas – entre elas Elissandro Spohr, o Kiko, um dos proprietários da danceteria.

Arigony e Meinerz dirigiram-se ao Centro Desportivo Municipal, para onde os cadáveres começaram a ser levados em caminhões frigoríficos. Em menos de 24 horas, a tarefa de remoção, identificação e liberação das vítimas estaria concluída. Para os dois parceiros, o trabalho estava apenas começando.

– Depois disso, os que ajudaram foram descansar, menos nós. Foi aí que o mundo caiu. A imprensa do mundo inteiro queria respostas – relata Arigony.

A 1ª Delegacia da Polícia Civil transformou-se em QG, e os policiais disponíveis foram chamados. Com reforços vindos de fora, 27 agentes passaram a atuar no caso, junto a uma banca de cinco delegados: Arigony e Meinerz no comando, Luiza Sousa, escalada para cuidar dos depoimentos, Marcos Vianna, a cargo das diligências, e Gabriel Zanella, responsável por analisar os documentos da casa noturna.

Dali em diante, os ex-colegas de faculdade, mais visados pela mídia, passariam a ser seguidos dia e noite por jornalistas e curiosos. Os telefones não paravam de tocar. Autoridades chegavam a Santa Maria. Ambos dormiriam uma hora e meia por noite. O assédio era tamanho que Arigony resolveu trocar o número do celular. A pressão, segundo eles, não veio do governo do Estado nem do poder municipal, mas da população e da imprensa.

– Parecia um “big brother” – resume Meinerz.

Por sugestão do chefe de Polícia, Ranolfo Vieira Júnior, os delegados passaram a dar coletivas diárias às 17h, para concentrar as informações aos veículos de comunicação e tentar reduzir as centenas de ligações. Poderiam ter optado por pedir à Justiça que o inquérito corresse em sigilo. Não fizeram isso por princípios.

– Como ficariam as famílias, sem informação? E a sociedade? Entendemos que, desde que não atrapalhasse a investigação, toda informação deveria ser repassada. E é o que estamos fazendo – explica Arigony.

A semana seguinte à tragédia começou com as prisões dos dois proprietários da boate e de dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, e com ofícios à prefeitura e ao Corpo de Bombeiros. Meinerz e Arigony queriam cópias dos registros referentes ao estabelecimento.

Denúncia anônima leva delegados à prefeitura

Os dois chegaram a ser repreendidos em um programa de TV por não terem pedido mandado de busca e apreensão para vasculhar os arquivos da administração municipal. Arigony argumenta que o prefeito Cezar Schirmer (PMDB) estava colaborando e que, em 24 horas, toda a papelada solicitada havia sido fornecida.

– Não tínhamos razões para adotar uma medida extrema. Se eu mando meus agentes lá para recolher tudo, abro precedentes para conclusões apressadas. A prefeitura poderia amanhecer incendiada, e o prefeito, linchado – detalha Arigony.

Uma denúncia anônima segundo a qual servidores municipais estariam escondendo documentos em uma repartição pública chegou a preocupar a equipe. Para tirar a dúvida, os delegados procuraram o prefeito e foram até o local do suposto esconderijo. Nada foi encontrado.

Tanto a prefeitura quanto os bombeiros, conforme Arigony, responderam a seus ofícios de imediato. A partir daí, os policiais descobriram que o Plano de Prevenção e Combate a Incêndio (PPCI), que deveria ser assinado por um responsável técnico, na verdade, era apenas uma coletânea de recomendações – feitas pelos próprios bombeiros, por meio de um software. Estava aberta uma segunda frente de apuração: a liberação dos alvarás.

– Para esclarecer as responsabilidades, decidimos ouvir os bombeiros da área de prevenção e os fiscais e secretários municipais envolvidos – afirma Meinerz.

Durante a semana, os policiais acabariam sendo obrigados a abrir uma terceira frente, com a descoberta de que uma empresa de propriedade de um bombeiro e de sua mulher – a Hidramix – havia realizado serviços na boate Kiss.

– As coisas foram aparecendo, podendo estar conectadas de forma direta ou indireta à tragédia. Não podíamos deixar nada escapar – reforça o delegado regional.

No dia 30, Meinerz comandou a primeira reconstituição. Levou cinco testemunhas ao local, entre funcionários e frequentadores. Queria saber onde o fogo começou. Os sobreviventes apontaram para o teto do palco, onde havia uma espuma cinzenta e malcheirosa.

Um vilão anunciado em entrevista coletiva

Na tarde seguinte, os policiais convocaram a entrevista coletiva que ficaria marcada pela apresentação do grande vilão: o revestimento de poliuretano. Usando luvas cirúrgicas, Arigony mostrou um naco da espuma e garantiu que, se o material não estivesse lá, a dimensão do desastre teria sido menor. Segundo ele, foi o cianeto, elemento químico liberado na combustão do produto, o responsável por asfixiar centenas de jovens em segundos.

A informação foi parar nas capas dos jornais e causou burburinho nos corredores do Instituto-geral de Perícias (IGP), na Capital. Nos bastidores, peritos classificaram a atitude do delegado regional como “precipitada”, já que o resultado dos exames ainda não estava pronto. Amostras de sangue chegaram a ser levadas a um laboratório especializado, na Argentina, para diagnosticar a possível presença do veneno. Até o início da semana, a questão continuava em aberto.

Arigony se defende:

– Eu disse que era cianeto, porque alguém me disse. Eu não tiraria isso da minha cabeça. Tivemos consultores nos auxiliando, gente especializada.

Meinerz complementa:

– Os depoimentos foram muito claros. As pessoas respiravam duas vezes aquela fumaça e caíam. Isso não é normal.

Em busca de respostas, a segunda semana de investigações seria marcada por mais depoimentos e novas perícias. Técnicos do Departamento de Criminalística (DC) voltaram à cena da tragédia, e os bombeiros que participaram do combate às chamas também foram ouvidos.

No feriado de Carnaval, os delegados aproveitaram para colocar a papelada em dia. Ao todo, o inquérito deve ultrapassar a marca das 5 mil páginas, incluindo os testemunhos de mais de 500 depoentes.

– Conseguimos descansar e refletir, pensar na investigação sem aquela correria toda – confidencia Arigony.

O retorno dos trabalhos seria marcado por visitas oficiais, pela criação de um site para que sobreviventes se cadastrem e por novos e decisivos interrogatórios. Na semana passada, personagens-chave começaram a ser ouvidos, entre eles o bombeiro que concedeu o primeiro alvará da corporação ao estabelecimento.

Agora, a expectativa é concluir o inquérito até 3 de março. No que depender de Arigony, os responsáveis irão a júri popular:

– Vamos esclarecer os fatos, e as responsabilidades virão.

É o que Santa Maria espera.



FRANCISCO AMORIM E JULIANA BUBLITZ