ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

IMPERÍCIA DA PERÍCIA

ZERO HORA 20/02/2015 | 16h22

Divergência em laudos suspende audiência que ouviria juiz aposentado acusado de matar a mulher. Ex-secretária de Finanças foi morta a tiros em julho do ano passado



Foto: reprodução / reprodução



Marilice Daronco


Uma divergência entre os laudos da necropsia e do local de crime suspendeu a audiência em que seria ouvido, pela primeira vez, o juiz aposentado Francisco Eclache Filho, 65 anos, no Fórum de Restinga Seca na tarde de sexta-feira. Ele é acusado de ter matado a mulher, a ex-secretária de Finanças e da Indústria de Restinga Seca, Madalena Dotto Nogara, 55 anos, com quatro tiros, em julho do ano passado.

O pedido que acabou levando à suspensão da audiência foi feito pelo advogado de acusação, Bruno Seligman de Menezes. Ele percebeu uma imprecisão nos laudos da morte de Madalena.

— O laudo pericial de local de morte aponta disparos na orelha esquerda. O da necropsia diz que foi na orelha direita. Oficializamos o pedido para que a situação seja esclarecida para que isso não cause nenhum problema posterior — explica Menezes.

De acordo com Roger Alves da Rocha, um dos advogados de defesa, o juiz aposentado tinha ido até a cidade pronto para contar a sua versão. Como a audiência foi suspensa, Rocha preferiu não dar detalhes sobre qual será o caminho adotado na defesa dele.

Na delegacia, em Osório, Eclache Filho confessou ter matado a vítima, mas disse que a estava ensinando como se usa uma arma de fogo e, em determinado momento, ela teria pego a arma e apontado para ele. O crime ocorreu 54 dias após o casal oficializar a união estável. Os dois tinham se conhecido pela internet.

A denúncia do Ministério Público diz que o juiz aposentado tinha ciúme doentio da vítima e que isso motivou o crime. Eclache Filho teria agido por motivo torpe, fútil e dificultado a defesa de Madalena, que foi morta com tiros nas costas, cabeça e coração.

O exame residuográfico apontou que havia vestígios de pólvora nas mãos da vítima.

— O exame está sendo abolido porque é inconclusivo. Ele sequer diz em qual mão estava a arma. Ela era destra, mas os resíduos estavam na mão direita ou esquerda? Além disso, a pólvora poderia estar nas mãos dela por ela ter tentado agarrá-la para se defender — argumenta Menezes.

O juiz foi detido um dia depois do crime, em Osório. Desde então, está preso preventivamente no Palácio de Polícia, em Porto Alegre. Ele não divide a cela com outros presos e tem algumas comodidades, como acesso a livros, revistas, jornais e TV. Mas precisa arrumar a própria cama e lavar a roupa em um tanque e recebe a mesma comida dos outros presos.


DIÁRIO DE SANTA MARIA