ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

CRIMINOSOS EXECUTAM PM. QUATRO MORREM EM 24 HORAS

Do G1 Rio 23/02/2015 07h26

Imagens mostram momento em que criminosos atiram e matam PM no RJ. Ele estava com outros dois colegas em padaria no Centro de Nova Iguaçu. Quatro policiais morreram na Região Metropolitana em 24 horas.





Fotos mostram o momento em que o policial militar Pedro Gabriel Teixeira, de 25 anos, foi atacado e morto por criminosos em uma padaria no Centro de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na manhã de domingo (22). Além de Pedro, outros três policiais foram mortos na Região Metropolitana do Rio em menos de 24 horas, como mostrou o Bom Dia Rio.

Segundo testemunhas, Pedro e outros dois colegas foram atacados por criminosos. As imagens mostram o instante em que assaltantes atiraram (veja no vídeo acima). Pedro levou vários tiros e morreu a caminho do hospital. O PM trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha.

Marcos Amorim também foi ferido, mas não corre risco de morte. Leandro Alves, que não teve ferimentos, já prestou depoimento.

Em outra foto, os três amigos aparecem na calçada da padaria momentos antes do ataque.

Amigos e parentes de Pedro passaram a tarde do domingo no Instituto Médico Legal (IML) de Nova Iguaçu. Ninguém falou com a imprensa.

De acordo com a polícia, um assaltante também foi atingido, mas conseguiu fugir. Peritos apreenderam a pistola de um dos policiais e recolheram amostras de sangue do criminoso.

Outros casos

No domingo, o policial civil Tiago Thomé de Deus, de 29 anos, foi morto durante um assalto no bairro do Fonseca, em Niterói. Ele voltava do desfile das campeãs e foi morto na frente da esposa.

No cemitério de Mesquita, na Baixada, foi enterrado o corpo do terceiro policial morto no fim de semana. Cid Jacson Silva era lotado na Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis. O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, e o Chefe de Polícia, Fernando Veloso, estiveram no cemitério, mas não quiseram falar com jornalistas.

Cid foi baleado após assalto quando os criminosos descobriram que se tratava de um policial. Imagens mostram Cid caído no chão numa rua próxima à casa da mãe em Mesquita. Ele levou um tiro nas costas e três na cabeça e foi socorrido ao Hospital de Clínicas de Nova Iguaçu, mas não resistiu.

Na tarde de domingo o soldado da PM Alan Barros da Silva, de 31 anos, foi morto por homens em duas motos, quando fazia segurança na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. Ele trabalhava no Batalhão de Grandes Eventos.

Parentes e amigos estavam desolados no hospital Lourenço Jorge enquanto esperavam da liberação do corpo. Alan foi o quarto policial morto em menos de 24 horas no Rio.