ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

TARSO CONVOCA 650 APROVADOS DA POLICIA CIVIL

ZERO HORA 26/12/2014 | 18h57

Tarso convoca 650 aprovados em concurso da Polícia Civil. Governador assinou a nomeação dos novos policiais nesta sexta-feira, no Palácio Piratini



Foto: Caco Argemi / Divulgação

Foram convocados, nesta sexta-feira, os 650 policiais aprovados no mais recente concurso público da Polícia Civil. A nomeação foi assinada pelo governador Tarso Genro no Palácio Piratini e a decisão será publicada no Diário Oficial da próxima terça-feira, último dia de 2014 e do atual governo.

Em nota divulgada pelo Piratini, o governo diz que o chamamento dos aprovados ocorreu por três razões: a primeira foi confirmação da permanência do delegado Guilherme Wondracek como chefe de Polícia para 2015:

"Despachamos em inúmeras oportunidades com o Secretário de Segurança, e sei que esta é uma demanda que a cúpula da Civil tem um grande empenho e certamente será levada a cabo no próximo período", justificou o governador.



A segunda é a garantia de que o caixa do Estado terá condições financeiras de arcar com o impacto das novas nomeações:

"A sinalização pública da futura gestão pela manutenção do Imposto de Fronteira irá assegurar o aporte financeiro necessário à concretização do chamamento dos concursados. Uma eventual supressão do imposto deixaria o caixa mais apartado para o pagamento desses novos policiais."

Por fim, no entendimento do atual governo, os novos servidores "dão sequência à politica de investimentos do Estado na valorização salarial e na redução dos déficits históricos de efetivos da polícia".



Os concursados deverão iniciar curso preparatório na Academia de Polícia (Acadepol) para se integrarem ao efetivo da Polícia Civil. Após a assinatura do documento, representantes da Casa Civil, Secretaria de Administração e do Gabinete do Governador entregaram cópia da convocação a uma comissão de aprovados no concurso.