ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

EM 2008, REDE DE MONITORAMENTO NÃO ERA CAPAZ DE REDUZIR O CRIME


The Guardian, Terça-feira 06 de maio de 2008


 
Os agentes da polícia monitorar telas de CFTV na sala de controle na New Scotland Yard, em Londres. Foto: Kirsty Wigglesworth / AFP / Getty Images


Investimento maciço em câmeras de CCTV para prevenir o crime no Reino Unido não conseguiu ter um impacto significativo, apesar dos bilhões de libras gastos em nova tecnologia, um oficial da polícia pilotando um novo banco de dados, alertou. Apenas 3% dos roubos de rua em Londres foram resolvidos utilizando imagens de CCTV, apesar do fato de que a Grã-Bretanha tem mais câmeras de segurança do que qualquer outro país na Europa.

O aviso vem da cabeça das imagens visuais, identificações e detecções de escritório (Viido) na New Scotland Yard como a força lança uma série de iniciativas para tentar impulsionar os índices de condenação usando CCTV provas. Eles incluem:

· Um novo banco de dados de imagens que se espera usar a tecnologia desenvolvida pela indústria da publicidade esportes para rastrear e identificar os infratores.

· Colocar imagens de suspeitos em Roubo, estupro e roubo casos na internet a partir do próximo mês.

· Construção de uma base de dados nacional CCTV, incorporando imagens de criminosos condenados, bem como os suspeitos não identificados. Os planos para este foram elaborados, mas estão em espera, enquanto a tecnologia necessária para realizar a consulta automatizada é refinado.

Owen Bowcott sobre o porquê de CCTV está pegando alguns criminosos Link para esta Use áudio das imagens de CCTV para a evidência tribunal tem sido até agora muito pobre, de acordo com o detetive inspetor-chefe Mick Neville, o oficial encarregado da unidade de polícia metropolitana. "CCTV foi inicialmente visto como uma medida preventiva", Neville disse a Conferência Mundial de Documento de Segurança, em Londres. "Bilhões de libras foram gastos no kit, mas não achei que passou como a polícia vai usar as imagens e como elas serão usadas no tribunal Tem sido um fiasco total.: Apenas 3% dos crimes foram resolvidos pela CCTV. não há medo de CCTV. Porque as pessoas não temê-lo? [pensam] as câmeras não estão funcionando. "

Era necessário mais treinamento para os oficiais, disse ele. Muitas vezes eles não querem encontrar imagens de CCTV ", porque isso é trabalho duro". Às vezes, a polícia não se incomodou perguntando além conselhos locais para descobrir se câmeras de CCTV monitorado um incidente de rua particular.

"Os operadores de CFTV precisam de feedback. Se você chamá-los de volta, eles se sentem valorizados e são mais úteis. Queremos desenvolver um plano de carreira para CFTV [policiais] inquiridores."

A unidade Viido está começando a estabelecer uma ampla base de dados de imagens de Londres de suspeitos que são referenciados por descrições escritas. O interesse na tecnologia foi aprimorada por trabalho policial recente, em que oficiais back-rastreados através de fitas de vídeo para escolher suspeitos de terrorismo. Nos distritos onde o esquema Viido está trabalhando, CCTV agora está ajudando a polícia em 15-20% dos roubos de rua.

"Estamos [início] para agrupar as imagens de toda a Londres", disse Neville. "Isso tem que ser equilibrado com as preocupações do Big Brother, com salvaguardas. As imagens são de furtos, roubos e crimes mais graves. Possivelmente, o [banco de dados] poderia ser nacional no futuro."

A unidade está agora investigando se ele pode usar software - desenvolvido para controlar a publicidade durante os jogos de futebol televisionados - seguir logotipos de marcas distintivas sobre a roupa dos suspeitos não identificados. "Às vezes você está olhando para uma foto, por exemplo, de alguém com um top vermelho e um dragão verde nele", explicou. "Essa tecnologia poderia ser usada para rastrear logotipos." Por volta de rastreamento, os policiais têm encontrado frequentemente fotos anteriores, por exemplo, de suspeitos com seus capuzes para baixo, em que possam ser identificados.

"Nós também vamos começar a colocar para fora [fotos] na internet, no site da polícia do Met, perguntando" quem é esse cara? ". Se os criminosos ver que CCTV funciona eles são menos propensos a cometer crimes."

Cheshire vice-chefe de polícia Graham Gerrard, que preside o grupo de trabalho CCTV da Associação de Diretores de Polícia, disse ao Guardian, que não fazia sentido ter um DNA nacional e banco de dados de impressões digitais, mas ter que se aproximar 43 forças separadas para imagens de suspeitos e criminosos. Um esquema chamado de Banco de Dados Nacional de Identificação Facial (Encontrar), que começou a recolher imagens dos criminosos a partir de suas fotos prisionais e em outros lugares, foi colocada em espera.

Ele disse que houve discussões com empresas biométricos "em uma base regular", sobre o desenvolvimento da tecnologia para pesquisar bancos de dados digitalizados e imagens jogo dos suspeitos com criminosos conhecidos. "Às vezes, quando eles colocaram o [equipamento] na prática operacional, que não é tão maravilhosa como eles disseram que seria", disse ele. "Eu suspeito que [procurar] foi colocada em espera até que a tecnologia amadurece. Antes que você possa digitalizar a imagem de cada infrator que você tem que ter certeza a iluminação é certo eo que é uma boa imagem. É um projeto importante. Nós ainda estamos de alguma forma a partir de um banco de dados nacional. Há ainda questões éticas e técnicas a considerar. "

Questionado sobre o desenvolvimento de um banco de dados CCTV, o cargo de Comissário de Informação do Reino Unido, Richard Thomas, disse: "CCTV podem desempenhar um papel importante para ajudar a prevenir e detectar o crime entanto esperaríamos salvaguardas adequadas para ser colocado em prática para garantir. as imagens são utilizadas apenas para fins de detecção de crime, armazenados de forma segura e que o acesso às imagens é restrita a pessoas autorizadas. teríamos preocupações se as imagens de CCTV dos indivíduos que vão sobre suas vidas diárias foram retidos como parte da iniciativa ".

Voz da vítima caridade, que apoia familiares dos que foram assassinados, disse que apoiou utilização mais eficaz dos sistemas de CCTV. "Nossa visão é que qualquer coisa que ajuda a obter os criminosos fora da rua e impede crime é bom", disse Ed Usher, um dos curadores da organização. "Se tratada adequadamente, pode ser uma ferramenta preventiva excelente."



TEXTO ORIGINAL DE 2008

The Guardian, Tuesday 6 May 2008

CCTV boom has failed to slash crime, say police

 

Massive investment in CCTV cameras to prevent crime in the UK has failed to have a significant impact, despite billions of pounds spent on the new technology, a senior police officer piloting a new database has warned. Only 3% of street robberies in London were solved using CCTV images, despite the fact that Britain has more security cameras than any other country in Europe.

The warning comes from the head of the Visual Images, Identifications and Detections Office (Viido) at New Scotland Yard as the force launches a series of initiatives to try to boost conviction rates using CCTV evidence. They include:

· A new database of images which is expected to use technology developed by the sports advertising industry to track and identify offenders.

· Putting images of suspects in muggings, rape and robbery cases out on the internet from next month.

· Building a national CCTV database, incorporating pictures of convicted offenders as well as unidentified suspects. The plans for this have been drawn up, but are on hold while the technology required to carry out automated searches is refined.

Owen Bowcott on why CCTV is catching few criminals Link to this audio Use of CCTV images for court evidence has so far been very poor, according to Detective Chief Inspector Mick Neville, the officer in charge of the Metropolitan police unit. "CCTV was originally seen as a preventative measure," Neville told the Security Document World Conference in London. "Billions of pounds has been spent on kit, but no thought has gone into how the police are going to use the images and how they will be used in court. It's been an utter fiasco: only 3% of crimes were solved by CCTV. There's no fear of CCTV. Why don't people fear it? [They think] the cameras are not working."

More training was needed for officers, he said. Often they do not want to find CCTV images "because it's hard work". Sometimes the police did not bother inquiring beyond local councils to find out whether CCTV cameras monitored a particular street incident.

"CCTV operators need feedback. If you call them back, they feel valued and are more helpful. We want to develop a career path for CCTV [police] inquirers."

The Viido unit is beginning to establish a London-wide database of images of suspects that are cross-referenced by written descriptions. Interest in the technology has been enhanced by recent police work, in which officers back-tracked through video tapes to pick out terrorist suspects. In districts where the Viido scheme is working, CCTV is now helping police in 15-20% of street robberies.

"We are [beginning] to collate images from across London," Neville said. "This has got to be balanced against any Big Brother concerns, with safeguards. The images are from thefts, robberies and more serious crimes. Possibly the [database] could be national in future."

The unit is now investigating whether it can use software - developed to track advertising during televised football games - to follow distinctive brand logos on the clothing of unidentified suspects. "Sometimes you are looking for a picture, for example, of someone with a red top and a green dragon on it," he explained. "That technology could be used to track logos." By back-tracking, officers have often found earlier pictures, for example, of suspects with their hoods down, in which they can be identified.

"We are also going to start putting out [pictures] on the internet, on the Met police website, asking 'who is this guy?'. If criminals see that CCTV works they are less likely to commit crimes."

Cheshire deputy chief constable Graham Gerrard, who chairs the CCTV working group of the Association of Chief Police Officers, told the Guardian, that it made no sense to have a national DNA and fingerprint database, but to have to approach 43 separate forces for images of suspects and offenders. A scheme called the Facial Identification National Database (Find), which began collecting offenders' images from their prison pictures and elsewhere, has been put on hold.

He said that there were discussions with biometric companies "on a regular basis" about developing the technology to search digitised databases and match suspects' images with known offenders. "Sometimes when they put their [equipment] in operational practice, it's not as wonderful as they said it would be, " he said. "I suspect [Find] has been put on hold until the technology matures. Before you can digitise every offender's image you have to make sure the lighting is right and it's a good picture. It's a major project. We are still some way from a national database. There are still ethical and technical issues to consider."

Asked about the development of a CCTV database, the office of the UK's information commissioner, Richard Thomas, said: "CCTV can play an important role in helping to prevent and detect crime. However we would expect adequate safeguards to be put in place to ensure the images are only used for crime detection purposes, stored securely and that access to images is restricted to authorised individuals. We would have concerns if CCTV images of individuals going about their daily lives were retained as part of the initiative."

The charity Victim's Voice, which supports relatives of those who have been murdered, said it supported more effective use of CCTV systems. "Our view is that anything that helps get criminals off the street and prevents crime is good," said Ed Usher, one of the organisation's trustees. "If handled properly it can be a superb preventative tool."