ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 1 de julho de 2014

ADOLESCENTE MORRE EM ENFRENTAMENTO



ZERO HORA 01 de julho de 2014 | N° 17846


EDUARDO TORRES ERICO FABRES | ESPECIAL

VIOLÊNCIA URBANA. Adolescente é morto em tiroteio em Porto Alegre




POLÍCIA CIVIL IRÁ examinar imagens de câmera de segurança para saber se garoto reagiu a uma abordagem da Brigada próximo a casas noturnas


Aregião de boates no centro de Porto Alegre voltou a ser palco de violência ontem de madrugada. Segundo a Brigada Militar, o adolescente Luís Felipe Oliveira, 15 anos, reagiu a tiros em uma abordagem na Rua General Vitorino e foi morto por disparos dados por um PM.

O garoto, conforme a polícia, havia saído de uma casa noturna. O local ainda não foi identificado pela 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Por volta das 4h30min, PMs faziam patrulhamento e teriam ouvido tiros próximo à Avenida Salgado Filho. Logo, viram uma correria na Rua Riachuelo. Uma discussão entre dois grupos de jovens na saída das boates teria resultado em tiroteio.

Luís Felipe teria partido a pé rumo à Rua Doutor Flores. Enquanto um PM o perseguia, uma viatura passou a cercá-lo. Na Rua General Vitorino, um policial desceu do veículo e mandou que o adolescente parasse, mas o garoto teria sacado o revólver e atirado. Conforme a Brigada, o PM reagiu e o atingiu na barriga e no pescoço. Luís Felipe morreu no local e a arma foi apreendida.

Investigadores localizaram uma câmera que poderá ajudar a esclarecer as circunstâncias do crime. A meta é, principalmente, determinar se houve o confronto com os policiais. O delegado Filipe Bringhenti ainda tenta esclarecer a origem do tiroteio anterior:

– Os inferninhos são uma preocupação porque centralizam muitos confrontos.

Nenhuma testemunha da confusão foi encontrada pela polícia nos momentos seguintes à morte.