ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 29 de julho de 2014

UMA PM É SUSPEITA DE FORNECECER DADOS PARA ROUBO DE CARRO

ZH 29/07/2014 | 13h19

PM está entre os presos em ação contra roubos em Porto Alegre. Ela é suspeita de fornecer dados privilegiados a quadrilha da Zona Sul


Presos foram levados ao DeicFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS


Uma policial militar está entre os 22 presos na Operação Ostentação, realizada pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) na manhã desta terça-feira. A mulher, cujo nome não foi divulgado, é suspeita de fornecer informações privilegiadas aos criminosos. Conforme a Polícia Civil, o companheiro dela é um dos líderes da quadrilha e está foragido. O envolvimento da PM será apurado pela Corregedoria-geral da Brigada Militar.

Ao apurar o roubo de uma carga de cigarros no início do ano, policiais da Delegacia de Repressão ao Furto e Roubo de Cargas depararam com uma quadrilha voltada à prática de vários outros delitos e que agia com extrema violência na zona sul de Porto Alegre. O grupo seria responsável por roubos a pelo menos 15 residências, a estabelecimentos comerciais e de mais de cem veículos desde o ano passado. Conforme a investigação, os bandidos também aplicavam o golpe chamado de "saidinha de banco" — que consiste em observar as vítimas dentro das agências e atacá-las na rua — e traficavam drogas.

— Esses indivíduos abordavam e, a qualquer esboço de reação por parte das vítimas, efetuavam disparos. Foi identificado o envolvimento deles em três tentativas de latrocínio — relata o delegado Luciano Peringer. — Houve dois fatos em que descarregaram a arma e alvejaram as vítimas. Uma não foi com grande potencial lesivo, e a segunda ficou com algumas sequelas, mas está se recuperando — acrescenta.

Quando assaltavam residências, os criminosos procuravam objetos como joias, notebooks, TVs, celulares, dinheiro e outros produtos de fácil colocação no mercado. Na medida em que os objetos forem localizados, as vítimas serão chamadas para comparecer à delegacia. Caso encontrem os pertences, poderão comprovar a posse por meio de uma nota fiscal e reaver os produtos.

De acordo com o delegado, o grupo de criminosos estava há seis meses sob investigação. Alguns deles já tinham ocorrências policiais nos últimos anos. Os assaltantes foram encaminhados ao Presídio Central e a policial militar está detida na Penitenciária Feminina Madre Pelletier.

Entre os 22 presos, que não tiveram as identidades divulgadas, está um homem que seria um dos líderes do bando. Outro fugiu e um terceiro é adolescente. O envolvimento de pessoas com menos de 18 anos é de competência do Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca).

O inquérito resultante da investigação, que contou com a troca de informações com as delegacias da Zona Sul, deve ser finalizado em até 30 dias. Além de 31 mandados de prisão (há nove foragidos), os policiais cumpriram, nesta terça-feira, 52 mandados de busca e apreensão, recolhendo armas, drogas e objetos roubados das vítimas. Cerca de 300 policiais participaram da ação, e as buscas foram realizadas em Porto Alegre, Viamão, Canoas e São Leopoldo.

* Zero Hora