ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

POLICIAL MILITAR, UM SERVIDOR BRAÇAL







Cap Samaroni Delgado - mestre de obras*




Agradeço ao ilustre intelectual pelo elogio, pois o nosso país foi e continuará sendo construído pelos trabalhadores braçais que colocam frutas e verduras nas nossas mesas, pelos operários da construção
civil, que constroem as nossas residências e por outra infinidade de profissionais BRAÇAIS. 


Eu ficaria muito triste se o nobre Patricio me considerasse como o senhor se considera, intelectual e pensador, pois estes me envergonham, por roubarem a petrobras, desviarem milhões do dinheiro público e fazerem acordos fraudulentos. 

A intelectualidade brasileira vem se omitindo a cada dia diante dos inúmeros problemas que o nosso país enfrenta, inclusive na segurança pública, e que não ainda não conseguiram resolver. 

Aqui onde resido, em Campina Grande, todos os dias caixas eletrônicos são explodidos e os poucos trabalhadores braçais que já passam a noite e o dia todo labutando em defesa da sociedade ainda não conseguiram a faculdade da onipresença para estarem em todos os lugares ao mesmo tempo, mas infelizmente também não percebemos a presença dos intelectuais que pudessem investigar e realizar as brilhantes prisões que alavancam a nossa segurança pública. 

Escolhemos nosso honroso trabalho braçal com orgulho e dedicação. Ainda não somos reconhecidos pela nossa sociedade ingrata e hipócrita, que envenenada de orgulho e vaidade, ainda se preocupam apenas com vossos umbigos. Como trabalhadores braçais, estamos a quase 200 anos como instituição pública, mantenedora da ordem e da tranquilidade pública em busca da utópica paz social ainda não formulada pelos intelectuais. A cegueira da ignorância é como uma ferida nos olhos de quem vê. 

Escolhemos sermos braçais, mas úteis à sociedade ingrata e demagoga, na qual estão inseridos no topo os intelectuais. Com o meu malho e meu cinzel continuarei a quebrar as pedras que encontrarei pelo caminho, na tentativa falida de livrar a sociedade dos algozes e criminosos e dos intelectuais inertes, em busca de uma recompensa que não virá nessa vida terrena. Continuarei sendo um braçal, se assim o supremo arquiteto do universo permitir, cavando masmorras aos vícios e erguendo templos às virtudes, para que amanhã eu não me torne um mero intelectual.




*Resposta dada pelo Capitão Adalireno Samaroni Delgado da Polícia Militar da Paraíba a uma autoridade que postou em rede social que policiais militares não passam de trabalhadores braçais.


Fonte: Postagem de Darlan Adrianohttps://www.facebook.com/photo.php?fbid=826639754050275&set=gm.856025414471834&type=1&theater