ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 9 de junho de 2015

QUE CHAMEM O BATMAN

ZERO HORA 0 07/06/2015 - 20h33min

PM ironiza pedido de segurança na Redenção: "Que chamem o Batman". Tenente-coronel respondeu a denúncia de jornalista de que grupos estavam promovendo assaltos no parque na noite de sábado

Por: Mauricio Tonetto



Foto: Reprodução / Facebook

Um oficial da Brigada Militar, identificado como tenente-coronel Francisco Vieira, comandante do 9º BPM, deu uma declaração polêmica na noite do último sábado, após receber denúncia de que estariam ocorrendo assaltos no Parque da Redenção durante a Serenata Iluminada.

Em um grupo do WhatsApp, ele respondeu aos jornalistas Fernanda Pugliero, do Correio do Povo, e Eduardo Paganella, da Rádio Guaíba, que "quem frequenta esse tipo de evento não quer BM perto. Agora aguentem! Que chamem o Batman! Ou o super-homem".


Os jornalistas relataram que havia somente um carro da Brigada Militar para fazer o policiamento de toda região e que assaltantes estavam aproveitando para atacar as pessoas em locais mais escuros do parque. O evento cultural ocorre periodicamente para discutir a ocupação de locais públicos e tinha 22 mil participantes confirmados no Facebook na edição de sábado.


O tenente-coronel Vieira também afirmou que a serenata não tinha permissão para ocorrer e que os presentes não queriam a presença dos policiais na Redenção: "Gente do bem está em casa agora!" (...) Então que saiam dali. Eu não aconselho a ficar ali. Até porque se eu mandar uma viatura lá, com dois PMs, serão hostilizados".

Uma hora e meia depois das respostas irônicas, o comandante do 9º BPM disse que a conversa foi informal e que a BM nunca se negou a atender qualquer ocorrência: "Prezados, espero que entendam o que quis dizer em uma conversa informal antes. A BM nunca se negou e nunca se negará a atender qualquer ocorrência. Somente que deve ser usado o canal formal: 190".


Procurado por Zero Hora, ele reforçou o que havia postado no grupo, disse que fez uma analogia e que os jornalistas "denegriram a imagem e postura da BM".

– Esse tipo de reunião (Serenata Iluminada) não procura a Brigada porque não quer a presença dela. Nos hostiliza, nos afronta. Então, para não dar problema grave, opto por deixá-los à vontade. Fiz uma analogia e os jornalistas levaram para o lado pessoal, denegrindo a imagem e postura da BM – argumentou o comandante. No domingo, o comandante do policiamento da Capital, Mário Ikeda, disse que a mensagem não foi uma resposta oficial da Brigada. E os organizadores da Serenata Iluminada garantiram ter comunicado a polícia do evento.

 
Entrevista - "Não foi uma resposta oficial da Instituição", diz tenente-coronel Mário Ikeda, comandante do policiamento da Capital

Mensagem de WhatsApp do oficial da Brigada sugeriu "procurar o Batman" diante de um alerta sobre risco de assaltos num evento notuno no parque da Redenção, em Porto Alegre

Por: Cadu Caldas



Mensagem de whatsApp do oficial da Brigada sugeriu "procurar o Batman" diante de um alerta sobre risco de assaltos num evento notuno no parque da Redenção, em Porto Alegre Foto: Reprodução / Facebook


A Brigada Militar ainda não sabe dizer se o oficial que mandou jornalistas procurarem o Batman diante de um alerta sobre risco de assaltos num evento noturno no parque da Redenção será punido. Responsável pelo policiamento da Capital, tenente-coronel, Mário Ikeda, entede que a resposta foi inapropriada, mas ressalta que WhatsApp não é um canal oficial da instituição e que a população deve acionar o número 190 para ocorrências.

Tenente-coronel, em qual batalhão serve o Batman?
Ah, amigo, não vou lhe responder esta pergunta.

Qual a orientação que é dada em caso de denúncias por WhatsApp?
A Brigada Militar deve ser acionada através do número 190. Esse é o número nacionalmente divulgado. Não que não possa ser feito alguma denúncia pelo WhatsApp, mas é a regra é o 190. Grupos de WhatsApp são feitos para as pessoas em que existe alguma relação próxima. Não é um canal oficial de relacionamento da instituição.

Então, a Brigada não deve aceitar denúncias pelo WhatsApp?
A BM não tem um canal de WhatsApp para receber ocorrências policiais. Não existe este canal oficial.


Mas é um canal de comunicação de qualquer maneira.
Mas não para a população em geral contatar a instituição. Respondemos mensagem por WhatsApp para quem mantemos uma relação. Foi dada uma divulgação exagerada sobre o fato. Acho que foi uma resposta equivocada mesmo não sendo um canal formal. Ele respondeu assim porque conhecia as pessoas. Mas que foi equivocado foi.

A resposta só foi em tom de brincadeira por que havia uma relação entre os interlocutores?
Certamente. Não foi uma resposta oficial da Instituição.

Haverá alguma mudança na orientação para responder mensagens por WhatsApp?
Este canal é uma postura de cada unidade que busca ter com um grupo de moradores ou jornalistas, por exemplo. Não é algo que a instituição regre.

Haverá alguma punição por conduta como essa?
Ainda vamos avaliar, amigo.

Há uma previsão para o pronunciamento oficial da BM sobre o caso?
Vamos avaliar a partir de segunda-feira e não temos prazo.Leia últimas notícias em Zero Hora

O Comando de Policiamento da Capital (CPC) enviou uma nota oficial no final da tarde deste domingo. Leia a íntegra:

Nota de esclarecimento do Comando de Policiamento da Capital (CPC)

As declarações do comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Vieira, foram feitas em ambiente virtual informal, que não constitui canal oficial de comunicação de ocorrências da Brigada Militar. Portanto não expressaram uma resposta Institucional. Ressaltamos ainda, que o 9º BPM sempre cumpriu com seus deveres de polícia ostensiva no sua área de atuação (Centro de Porto Alegre), procurando atuar preventivamente, como força de dissuasão, em locais ou áreas específicas, onde se presuma ser possível a perturbação da ordem pública.