ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 9 de junho de 2015

A BRIGADA E O BATMAN



ZERO HORA 09 de junho de 2015 | N° 18188


EDITORIAIS




A resposta debochada do comandante do 9º BPM aos jornalistas que o informaram sobre assaltos no Parque Farroupilha, durante evento realizado na noite de sábado, revela falta de sensibilidade do oficial em relação à segurança dos cidadãos. Não cabe a um soldado julgar se os participantes de determinada festa querem a BM por perto ou mesmo se são gente de bem. Ao sugerir que as vítimas chamassem o Batman ou o Super-Homem, o tenente-coronel fez uma brincadeira infeliz como tantas que circulam diariamente nas redes sociais. Mais grave do que a gafe, porém, é o descaso com a proteção das pessoas. Pela omissão e não apenas pela brincadeira é que o oficial deve ser responsabilizado.

O episódio também deixa outros ensinamentos que não devem ser negligenciados, entre os quais a atualização do sistema de denúncias e pedidos de socorro. Por que só o 190? Se a Brigada Militar pode ser acessada por outros canais de comunicação, não há razão para burocratizar o contato com o cidadão. Chegue por onde chegar, um pedido de socorro deve ser atendido com a agilidade que a situação exigir. Certamente a autoridade deve se precaver em relação a trotes, mas esse tipo de distorção também ocorre pelo 190.

Então, que o rumoroso caso sirva para a Brigada Militar aperfeiçoar seu sistema de atendimento ao público, a começar por uma advertência formal ao autor da brincadeira sem graça para que tal fato não se repita.