ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

ESTRESSE E SEGURANÇA PÚBLICA



JORNAL DO COMÉRCIO 19/06/2015


Rozemery Paixão


No âmbito dos cuidados com a saúde do profissional que atua na segurança pública, há uma equação bastante difícil de ser resolvida, mas que exige urgente busca por soluções. Por um lado, em certa medida, o estresse é fundamental ao servidor desta área, pois age como fator mobilizador na obtenção de uma resposta adequada a situações de risco ou de conflito. De outro, em se tratando da profissão líder em estresse, segundo ranking da Isma-BR (International Stress Management Association no Brasil), seus profissionais precisam conhecer mecanismos para gerenciá-lo, evitando o surgimento de sintomas físicos, emocionais e psicológicos, que podem levar a um esgotamento físico e mental, como por exemplo: problemas cardíacos, depressão, transtornos do sono, ansiedade e ao consequente afastamento das atividades; e também ao que se conhece hoje como Síndrome de Burnout, que nada mais é que a exaustão emocional, despersonalização e redução da realização pessoal e profissional. Com ganho de popularidade a partir da década de 70, o Burnout responde à necessidade de tratar um mal que se instala em todas as profissões.

Como prevenir? Como em todos os casos, o meio mais eficaz de prevenção é conciliar ao dia a dia atividades que tragam mais qualidade de vida, valorizando momentos em família e com amigos, nutrindo o corpo com uma alimentação qualificada e praticando atividades físicas prazerosas. No caso específico do servidor da Segurança Pública, há elementos-chave a serem valorizados: o treinamento e o trabalho em equipe. É por esse viés que o policial e os demais servidores da área estarão mais preparados para enfrentar situações que causem estresse e para sair delas sem maiores prejuízos físicos e emocionais.

Psicóloga da Polícia Civil/RS