ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 2 de março de 2015

POR ORDEM DA JUSTIÇA, PM ESCOLTA CAMINHÕES COM MERCADORIAS EM MEIO A BLOQUEIOS

G1 FANTASTICO Edição do dia 01/03/2015


PM escolta caminhões com mercadorias em meio a bloqueios. Operações de desbloqueio das rodovias são intensificadas para que produtos cheguem nas cidades que sofrem com escassez.




O número de bloqueios promovidos por caminhoneiros caiu neste domingo (1°). A maioria dos protestos está concentrada na região Sul, onde dez manifestantes foram presos.

Em Santa Catarina, caminhões que transportam mercadorias viajam escoltados pela Polícia Militar por ordem da Justiça. Neste domingo (1°) um comboio com carne de porco e de frango para exportação saiu de São Miguel do Oeste até o Porto de Itajaí, no litoral - um percurso de 900 quilômetros.

Com as rodovias estaduais e federais bloqueadas, a agroindústria não consegue escoar os produtos. Sem espaço nas câmaras frias, 4,5 milhões de frangos deixam de ser abatidos por dia em Santa Catarina. Muitos produtores já começaram a descartar ovos e pintinhos por falta de espaço nos aviários -- agora lotados com os frangos que não vão para o abate.

Em Chapecó, maior cidade do oeste catarinense, o protesto dos caminhoneiros fez a gasolina quase desaparecer. Quando algum caminhão-tanque consegue furar os bloqueios e chegar aos postos, logo filas imensas se formam.

“Não está fácil, porque todo dia é uma correria. Você tem que ficar de olho onde tem um posto para abastecer para poder rodar durante a semana”, diz um motorista.

Também falta combustível em algumas cidades do Paraná. Na tarde deste domingo (1°), 30 caminhoneiros trancaram a BR-376, próximo ao trevo de Paranavaí -- Noroeste do estado. Só carros de passeio conseguiram passar.

“Quem tá saindo de casa sabe que não pode passar. Tá saindo sabendo que vai ficar parado na pista”, diz um caminhoneiro.

Os caminhoneiros querem aumentar o valor do frete e baixar o preço do diesel. Para fugir das fiscalizações nas rodovias federais, muitos fazem mobilizações em vias próximas às cidades.

Em São Paulo, cerca de 80 caminhões rodaram pelas duas marginais, a Pinheiros e a Tietê, com velocidade reduzida, cerca de 20 quilômetros por hora. A Polícia Rodoviária Federal intensificou as operações de desbloqueio das rodovias no país.

Imagens cedidas pela Secretaria Geral da Presidência da República mostram cenas de violência nas estradas. Em um vídeo gravado pela Polícia Militar de Santa Catarina no sábado (28), em Videira, manifestantes tentam virar um carro da PM.

Neste domingo (1°), a Polícia Rodoviária Federal prendeu dez manifestantes no Rio Grande do Sul. Eles são suspeitos de coagir motoristas que querem abandonar a paralisação e seguir viagem, ameaçando cortar as mangueiras de combustível.

Neste domingo (1°), parentes e amigos participaram do enterro de Cleber Adriano Machado Ouriques, atropelado no sábado (28) por um caminhoneiro que furou o bloqueio na BR-292, em São Sepé, região central do Rio Grande do Sul. A Justiça decretou a prisão temporária do motorista Anderson Luís dos Santos Bernardes, que fugiu depois do atropelamento.

Segundo o governo, não há mais estradas federais completamente bloqueadas. A Secretaria-Geral da Presidência informou que a presidente Dilma vai assinar na segunda-feira (02), sem vetos, a nova lei dos caminhoneiros, aprovada pelo Congresso no dia 11 do mês passado.

A lei prevê, entre outros itens, o perdão das multas por excesso de peso, expedidas nos dois últimos anos e a ampliação dos pontos de parada para descanso e repouso. Essas reivindicações fazem parte do acordo fechado quarta-feira (25) entre o governo federal e representantes dos caminhoneiros.