ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

NÃO SE VÊ POLÍCIA NA RUA



DIÁRIO GAÚCHO - 16/04/2015 | 09h58

Reportagem encontra PMs em apenas 8 de 38 vias de Porto Alegre. Moradores de Porto Alegre reclamam do policiamento ostensivo

Eduardo Matos




Em função da grande quantidade de reclamações de falta de brigadianos nas ruas de Porto Alegre, a Rádio Gaúcha resolveu conferir como está o policiamento ostensivo em todas as regiões da cidade. Foram percorridas 38 das principais ruas e avenidas da Capital, algumas mais de uma vez, das 15h35 às 18h42 de segunda-feira.


Foram 62,8 quilômetros percorridos em pouco mais de três horas, saindo da Avenida da Azenha. Em apenas 8 vias foi possível encontrar PMs. O primeiro foi encontrado 32 minutos após a partida, ou 21,7 km depois, na Avenida Wenceslau Escobar. No local, um policial sozinho atendia uma senhora que passava mal.

A unidade móvel da Gaúcha ainda passou por viaturas trafegando nas avenidas José de Alencar, Aparício Borges, Assis Brasil, Borges de Medeiros e Aureliano de Figueiredo Pinto. Na Assis Brasil, passamos por três viaturas num período de cinco minutos. Mesmo assim, no Terminal Triângulo, a sensação é de insegurança, como relata o estudante Rafael Azevedo, de 19 anos.

– Para ser sincero acho que nunca vi policiais aqui no Terminal Triângulo – lamenta o estudante.

O hidráulico Rubens Nunes tem a mesma opinião.

– Eu chego aqui no Triângulo às 5h da manhã e não encontro ninguém, ninguém, ninguém. Tem que sair correndo porque é muito perigoso – afirma Nunes.

Em vias com grande movimento, como Bento Gonçalves, Baltazar de Oliveira Garcia, Plínio Brasil Milano, Cristóvão Colombo, 24 de Outubro, Mauá, Farrapos e Júlio de Castilhos, por exemplo, a Gaúcha não encontrou um PM sequer ou viatura trafegando. Caminhamos durante 20 minutos no fim da tarde passada dentro do Parcão e nada de PMs.

A doméstica Natália chegou a se assustar ao ser abordada pela reportagem. Diz que frequenta o parque por causa do filho pequeno, mas tem medo.

– Não se vê polícia na rua. Nunca vejo. É difícil – diz a doméstica.

Em apenas duas das avenidas percorridas encontramos PMs à pé. Foi na Azenha, em frente à uma loja, e na esquina da Protásio Alves com Ary Tarragô, ao lado de uma viatura.


Blitz dos PMs

– 38 ruas e avenidas (algumas mais de uma vez) percorridas
– Distância: 62,8 km
– Tempo: 3h07

PMs encontrados:

– 16:07 - 32 minutos após a saída - 21,7 km depois - 1º PM - Avenida Wenceslau Escobar PM atendia ocorrência de pessoa passando mal na via
– 16:20 - 45 minutos após a saída - 22,8 km depois - 2º PM - Avenida José de Alencar - Dois PMs estavam numa caminhonete
– 16:25 - 50 minutos após a saída - 24 km depois - 3º PM - Avenida da Azenha - PM à pé em frente à uma loja
– 16:35 - 1h após a saída - 28 km depois - 4º PM - Aparício Borges - Viatura trafegando com 4 PMs
– 16:57 - 1h02min após a saída - 37,6 km depois - 5º PM - Protásio Alves com Ary Tarragô - Viatura parada na esquina com policiais do lado de fora
– 17:25 - 1h50min após a saída - 44,7 km depois - 6º PM - Avenida Assis Brasil - Viatura trafegando com 2 PMs
– 17:25 - 1h50min após a saída - 44,8 km depois - 7º PM - Assis Brasil - Viatura trafegando com 2 PMs
– 17:30 - 1h55min após a saída - 45 km depois - 8º PM - Assis Brasil - Viatura parada em frente ao Hospital Cristo Redentor
– 18:35 - 3 horas após a saída - 57,3 km depois - 9º PM - Mercado Público - Borges de Medeiros - Viatura trafegando com 2 PMs
– 18:42 - 3h07min após a saída - 61,1 km depois - 10º PM - Aureliano de Figueiredo Pinto - Viatura trafegando com 2 PMs

Trajeto percorrido:

- Azenha, Carlos Barbosa, Teresópolis, Nonoai, Cavalhada, Eduardo Prado, Dea Coufal, Cel. Marcos, Wenceslau Escobar, Diário de Notícias, Pinheiro Borda, Padre Cacique, José de Alencar, Azenha, Princesa Isabel, Bento Gonçalves, Aparício Borges, Salvador França, Tarso Dutra, Protásio Alves, Manoel Elias, Baltazar de Oliveira Garcia, Assis Brasil, Plínio Brasil Milano, 24 de outubro, Dr. Timóteo, Cristóvão Colombo, Conde de Porto Alegre, Farrapos, Mauá, General Câmara, Sete de Setembro, Borges de Medeiros, Júlio de Castilhos, Mauá, João Goulart, Edvaldo Pereira Paiva, Aureliano de Figueiredo Pinto, Érico Veríssimo e Ipiranga

*Rádio Gaúcha