ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

ADOLESCENTE MATA IRMÃ AO MEXER EM ARMA


ZERO HORA 09 de dezembro de 2013 | N° 17639

FATALIDADE NA SERRA

“Estamos desolados”, diz dono de revólver. Adolescente de 13 anos matou irmã de 11 anos usando a arma do padrasto


O corpo da menina de 11 anos morta acidentalmente em Bento Gonçalves, na Serra, atingida por tiro na cabeça na noite de sexta-feira, foi sepultado no sábado, em Viadutos, sua cidade natal. A principal suspeita é de que uma irmã mais velha da garota, de 13 anos, tenha disparado acidentalmente a arma do padrasto das duas meninas.

A morte aconteceu na guarita da sede da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), onde o padrasto das irmãs trabalha como vigilante noturno. Por volta das 21h30min, as garotas de 11 anos e de 13 anos e a mãe delas foram até a empresa levar um lanche para o padrasto. Eles estavam juntos, na guarita, até que o vigilante teve de se afastar para abrir o portão para um servidor da Corsan. Enquanto o vigilante registrava os dados de ingresso em uma planilha, as meninas ficaram sozinhas na guarita. Neste momento, elas teriam aberto uma gaveta e encontrado, escondido sob revistas, o revólver calibre 38 do vigilante. A adolescente de 13 anos pegou a arma e, em seguida, ocorreu o disparo acidental, que atingiu a cabeça da irmã. A menina morreu no local.

O padrasto da jovem, vigia responsável pelo revólver que alvejou a adolescente, estava em estado de choque na manhã de sábado.

– Eu precisava fazer a ronda. Saí por uns segundinhos para anotar a placa de um caminhão, até porque estava a serviço, e deixei elas por um momento sozinhas, com a mãe. Íamos comer um xis. Tudo aconteceu em menos de um minuto – contou o padrasto das meninas.

Conforme o vigilante, a arma estava na gaveta, guardada:

– Não sei porque ela mexeu (na gaveta onde estava a arma). Não deu tempo de avisar para não fazer nada.